Topo

Evo diz que polícia tem "mandado ilegal" para prendê-lo e denuncia "golpe"

Agência Brasil
Imagem: Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

10/11/2019 22h40Atualizada em 11/11/2019 09h37

Resumo da notícia

  • Evo Morales usa Twitter para denunciar que pode ser preso
  • Ex-presidente diz que mandado contra ele é ilegal
  • Líder opositor também usa Twitter para apoiar prisão
  • Evo Morales e outros dirigentes renunciaram hoje
  • Bolívia é tomada por onda de violência após renúncias

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales disse hoje à noite pelo Twitter que um policial anunciou ter um mandado de prisão para prendê-lo. Morales, que renunciou hoje depois de 13 anos no poder, classificou a ação como ilegal. O México ofereceu asilo a ele.

"Eu denuncio ao mundo e ao povo boliviano que um policial anunciou publicamente que ele foi instruído a executar um mandado de prisão ilegal contra mim; da mesma forma, grupos violentos assaltaram minha casa. Os golpistas destroem o estado de direito", escreveu o ex-presidente.

Em tom de comemoração, o líder opositor Luis Fernando Camacho também comentou a situação no Twitter. "A polícia e os militares estão procurando por ele no Chapare, lugar onde se escondeu. Os militares lhe tiraram o avião presidencial."

Mais cedo, María Eugenia Choque Quispe, que presidia o Tribunal Superior Eleitoral da Bolívia, foi presa após renunciar ao cargo.

Após a renúncia de Morales, a Bolívia virou palco, na noite de hoje, de uma série de incêndios, saques e ataques a residências, incluindo a do próprio ex-governante. A capital La Paz e as cidades de El Alto e Cochabamba, entre outras das maiores do país, registram vários desses casos, e muitos bolivianos estão pedindo ajuda à Polícia e às Forças Armadas através das redes sociais.

Morales, o vice Álvaro Linera e os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados renunciaram após duas semanas de protestos e uma onda de violência contra aliados do governo. As renúncias deixaram um vazio de poder na Bolívia.

O agora ex-presidente foi eleito para um quarto mandato em 20 de outubro, mas houve denúncias de fraude, e a OEA (Organização dos Estados Americanos) apontou irregularidades no pleito. Desde então, uma onda de protestos, com atos de violência contra aliados do governo, tomou conta do país, inclusive com a adesão de policiais nos últimos dias.

O comando das Forças Armadas e opositores pediram sua renúncia. Morales anunciou hoje a convocação de novas eleições, mas horas depois decidiu deixar o cargo em uma tentativa de pacificar o país.

Internacional