PUBLICIDADE
Topo

Trump confirma que suspenderá verba para a OMS após medidas 'pró-China'

Do UOL, em São Paulo

14/04/2020 19h28

O presidente norte-americano Donald Trump confirmou hoje, durante coletiva de imprensa na Casa Branca, que suspenderá temporariamente o envio de dinheiro para a OMS (Organização Mundial de Saúde) em meio à pandemia do novo coronavírus.

Trump disse que fará uma nova análise sobre o papel da OMS, segundo ele, na má administração e na tentativa de encobrir a disseminação da covid-19. Até ter um novo resultado, a verba será suspensa.

O presidente justificou que, enquanto os EUA impuseram restrições de viagem à China durante os estágios iniciais do surto, a OMS "se opôs".

"Outras nações e regiões que seguiram as diretrizes da OMS e mantiveram suas fronteiras abertas para a China aceleraram a pandemia em todo o mundo", declarou na coletiva.

Trump continuou: "A decisão de outros países importantes de manter as fronteiras abertas foi uma das grandes tragédias e oportunidades perdidas desde os primeiros dias [da pandemia]".

Na semana passada, no dia 7 de abril, Trump já tinha ameaçado suspender o envio de dinheiro para a instituição, que ele avaliou que vem cometendo uma série de erros e está centrada muito em medidas "pró-China".

Trump afirmou que se trata de repasses que ultrapassam o valor de US$ 58 milhões. No mesmo dia, pela manhã, o presidente foi ao Twitter criticar a OMS.

"A OMS realmente estragou tudo. Por alguma razão, financiada em grande parte pelos Estados Unidos, mas muito centrada na China. Daremos uma boa olhada nisso. Felizmente, rejeitei o conselho deles de manter nossas fronteiras abertas à China desde o início. Por que eles nos deram uma recomendação tão falha?", escreveu na ocasião.

Os EUA já ultrapassaram a marca de 600 mil casos confirmados de infecções pelo novo coronavírus, anunciou hoje a Universidade Johns Hopkins, que vem monitorando a covid-19 em todo o mundo.

Segundo os dados coletados pela universidade, até pouco depois das 20h (horário de Brasília) de hoje eram 602.989 casos, com 25.575 mortes.

OMS nega acusações de Trump

Autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) negaram na semana passada, após as acusações de Trump, que o órgão seja "centrado na China" e disseram que a fase aguda de uma pandemia não era a hora de cortar financiamentos.

Em 2019, as contribuições do país para a OMS ultrapassaram US$ 400 milhões, quase o dobro da segunda maior doação dos outros Estados membros. A China, por outro lado, contribuiu com US$ 44 milhões.

"Ainda estamos na fase aguda de uma pandemia, então agora não é hora de reduzir o financiamento", disse o diretor regional da OMS para a Europa, Hans Kluge, em coletiva de imprensa virtual.

Bruce Aylward, consultor sênior do diretor-geral da OMS, também defendeu a relação da agência com a China, dizendo que o trabalho com as autoridades de Pequim era importante para entender o surto, que começou em Wuhan.

"Foi absolutamente fundamental, no início deste surto, ter acesso total a tudo o que era possível, entrar em campo e trabalhar com os chineses para entender isso", disse ele a repórteres.

"Isso foi o que fizemos com todos os outros países afetados, como a Espanha, e não teve nada a ver com a China especificamente."

Aylward também defendeu as recomendações da OMS para manter as fronteiras abertas, apontando que a China trabalhou duro para identificar e detectar casos precoces e seus contatos, além de garantir que essas pessoas não viajassem para conter o surto.

Na Europa, Kluge descreveu o surto de novo coronavírus no continente como "muito preocupante" e pediu que os governos "avaliem com muito cuidado" antes de relaxar as medidas para conter a propagação do vírus.

"Um aumento dramático de casos no outro lado do Atlântico distorce o que permanece um quadro muito preocupante na Europa", disse ele. "Ainda temos um longo caminho a percorrer na maratona."

Coronavírus