PUBLICIDADE
Topo

Harvard e MIT processam governo Trump por suspensão de visto de estudantes

Universidade de Harvard (foto) e o MIT entraram com uma ação contra o governo federal por suspender vistos para estudantes estrangeiros cujas aulas sejam transferidas para formato virtual  - Getty Images
Universidade de Harvard (foto) e o MIT entraram com uma ação contra o governo federal por suspender vistos para estudantes estrangeiros cujas aulas sejam transferidas para formato virtual Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

08/07/2020 10h35

A Universidade de Harvard e o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) entraram com uma ação contra o governo do presidente Donald Trump por suspender vistos para estudantes estrangeiros cujas aulas sejam transferidas para um formato virtual devido à pandemia do novo coronavírus.

Harvard anunciou no início desta semana que todas as instruções do curso serão entregues online. Em comunicado à rede de TV norte-americana CNN, a universidade disse que a orientação deve afetar aproximadamente 5 mil estudantes estrangeiros.

"A ordem veio sem aviso prévio - sua crueldade foi superada apenas por sua imprudência. Parece que ela foi projetada propositadamente para pressionar as faculdades e universidades a abrirem suas salas de aula no campus para instrução pessoal neste outono, sem levar em conta preocupações com a saúde e a segurança de estudantes, instrutores e outros", afirmou o presidente de Harvard, Larry Bacow, em um comunicado.

"Isso ocorre no momento em que os Estados Unidos estabelecem recordes diários para o número de novas infecções, com mais de 300 mil novos casos relatados desde 1º de julho", acrescentou.

Trump, que está buscando a reeleição em novembro, tem um discurso contra a imigração irregular e recentemente suspendeu a maioria dos vistos de imigração, afirmando que dessa maneira protege o emprego dos americanos da crise causada pela pandemia.

O governo "não concederá vistos aos estudantes matriculados em escolas e/ou programas que sejam completamente pela internet durante o semestre de outono (boreal) e os guardas fronteiriços não lhes permitirão entrar no país", informou em um comunicado o Departamento de Imigração e Alfândega (ICE, na sigla em inglês).

Os estudantes com vistos F-1 e M-1 cujas unidades de ensino operam apenas online "devem sair do país ou tomar outras medidas, como a transferência para uma escola com instrução presencial". Caso contrário, correm o risco de serem expulsos.

De acordo com o novo regulamento, quando os estudantes estiverem em um centro com um modelo misto, eles terão que provar que estão matriculados no número máximo de cursos presenciais para preservar seu visto. Estas exceções não serão autorizadas para o estudo do inglês ou capacitação profissional.

Com mais de 130 mil óbitos e 2,9 milhões de casos, segundo dados da Universidade John Hopkins, os Estados Unidos são o país mais afetado do mundo pela pandemia.

* Com informações da AFP

Coronavírus