PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Menino corta a grama para mães solo e profissionais de saúde na pandemia

Greyson Winfield, de 8 anos, corta o gramado de uma casa nos Estados Unidos como trabalho voluntário - Reprodução/Facebook
Greyson Winfield, de 8 anos, corta o gramado de uma casa nos Estados Unidos como trabalho voluntário Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

07/08/2020 16h14

Um menino de 8 anos de idade está dando exemplo de solidariedade em uma cidade na Carolina do Sul, nos Estados Unidos, ajudando pessoas muito atarefadas durante a pandemia do novo coronavírus. Filho de ex-bombeiros, Greyson Winfield corta a grama para mães solo e profissionais de saúde, sobrecarregados durante o isolamento social e com o atendimento de pacientes, segundo o site da CNN norte-americana.

A família de Greyson fundou uma organização chamada Helping Footprint, que coleta doações transformadas em vale-presente para alimentação ou para ajudar a pagar contas de famílias da região.

Greyson quer ser um "seal" — integrante da elite da Marinha — porque "ajudar os outros é a coisa certa a fazer".

"Além disso, JFK esteva na Marinha antes de se tornar presidente, e eu quero seguir seu exemplo", disse ele, que tem em John F. Kennedy uma inspiração.

Por meio da organização, Greyson já doou presentes de Natal para crianças mais pobres.

"Quero ajudar as pessoas", disse ele. "Existem outras pessoas que não têm ninguém para ajudá-las e isso é a coisa certa a fazer."

Stevie, mãe de Greyson, contou que seu filho ficou muito emocionado quando começou toda a situação da pandemia.

"Ele perguntou como as pessoas manteriam suas casas e alimentariam seus filhos se não estivessem trabalhando. Isso foi realmente o que deu início à decolagem da Helping Footprint", disse ela.

Até agora, Greyson entregou vale-presente de comida para seis famílias e aparou nove gramados com a ajuda de seus irmãos. Os meninos planejam cortar cinco gramados por semana.

Garrett, irmão de 6 anos de Greyson, também se dedica ao voluntariado. Ele quer ser chef, então prepara sacos com lanches para quem precisa de comida.

"Os meninos têm ajudado muitas pessoas ao longo do caminho", disse sua mãe. "Muito mais do que podemos contar."

Internacional