PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Esse conteúdo é antigo

EUA: Mãe volta a casa em chamas para não deixar filho autista morrer só

Feda Almaliti voltou para dentro de casa em chamas para ficar junto de seu filho - Reprodução/CBS
Feda Almaliti voltou para dentro de casa em chamas para ficar junto de seu filho Imagem: Reprodução/CBS

Do UOL, em São Paulo

01/10/2020 14h35

A ativista Feda Almaliti, de 43 anos, e o filho dela, Muhammed, de 15, morreram juntos em um incêndio doméstico na cidade de Fremont, na Califórnia, EUA. Ela havia deixado a construção, mas retornou para o interior dela para ficar com seu filho. O garoto, que tinha autismo, não conseguiria fugir sozinho.

Os corpos de Feda e Muhammed foram encontrados juntos. "Ela estava abraçando ele", detalhou a amiga da família Sarah Trautman à emissora de TV norte-americana KTVU.

"Muhammed era o centro do universo dela", explicou Trautman. "Ela não poderia existir em um mundo sem ele e ele não poderia existir em um mundo sem ela".

De acordo com uma das vizinhas de Feda, Lavelle Botelho, os bombeiros abriram o telhado da casa para tentar resgatar mãe e filho das chamas, mas a ação não foi concluída a tempo.

A ativista Feda Almaliti, durante discurso em prol de pessoas autistas, nos EUA - Reprodução/CBS - Reprodução/CBS
A ativista Feda Almaliti, durante discurso em prol de pessoas autistas, nos EUA
Imagem: Reprodução/CBS

A causa do incêndio está sob investigação. A principal suspeita do corpo de bombeiros de Fremont é que o fogo tenha começado na cozinha e depois se espalhado por toda a construção.

Os esforços de Feda por maior visibilidade e estrutura estatal de apoio a pessoas autistas eram célebres entre os engajados na luta, nos EUA. Em 2011, após pressões de um movimento iniciado pela ativista, o estado da Califórnia aprovou uma lei para oferecer melhor apoio a jovens e adultos com a condição.

Internacional