PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Schelp: Entre Trump e China, Putin vê chance em aproximação com Bolsonaro

Colaboração para o UOL, em São Paulo

21/11/2020 04h00Atualizada em 23/11/2020 09h19

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, pode estar aproveitando a discussão sobre a CoronaVac e a eleição de Joe Biden, nos Estados Unidos, para se aproximar do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Esta é a opinião do colunista do UOL Diogo Schelp.

"Para o Putin, se aproximar do Bolsonaro é uma grande oportunidade. Principalmente depois da derrota de [Donald] Trump", afirmou Schelp no podcast Baixo Clero #66, apresentado por Carla Bigatto, que também conta com a participação da colunista do UOL Maria Carolina Trevisan.

"Com a derrota de Trump e com as rusgas com a China, o Bolsonaro ficou órfão, ficou isolado internacionalmente. O Putin tem tudo para ser um grande amigo. Primeiro, ambos são líderes populistas, com pendor autoritário. A Rússia não tem nada de comunista, então eu acredito que Bolsonaro não teria nenhuma dificuldade de convencer sua base de que é interessante se aliar com Putin", disse Schelp. "E o Putin pode usar o Bolsonaro em futuros embates com o presidente eleito Joe Biden nos Estados Unidos. Por que isso é algo muito possível. O Trump, apesar de manter um discurso de que ele era duro, não batia de frente com Putin." (Ouça a partir do minuto 28:42)

O colunista também lembrou das críticas de Bolsonaro à vacina CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, do governo paulista, em parceria com o laboratório chinês Sinovac,. "O Putin também pode se aproveitar da implicância que Bolsonaro tem com a vacina chinesa, que está sendo testada em São Paulo, e empurrar para o governo federal brasileiro a vacina russa."

O governo da Rússia está desenvolvendo a Sputinik, outra vacina contra o novo coronavírus, que também está em fase de testes. Schelp destacou que representantes da vacina russa se reuniram com dirigentes da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nesta semana. "Não se espante se, no ano que vem, a gente tenha vacina russa no Brasil, e o Putin convidando Bolsonaro para pescar ou caçar na Rússia." (Ouça a partir do minuto 29:56)

Para o colunista do UOL, do ponto de vista político, o presidente russo tem "uma equipe diplomática formidável, que sempre dá nó nos americanos". "Eles são muito preparados. Não é questão de concordar ou não. A retórica, a argumentação. Eles têm uma capacidade de apontar as contradições da política externa americana, e colocar isso a favor deles que é realmente muito interessante." (Ouça a partir do minuto 28:00)

Schelp também falou sobre o comentário em relação às "qualidades masculinas" de Bolsonaro. "Do ponto de vista do Putin e dos russos, trata-se de um grande elogio. A imagem de um líder forte, e viril, estereótipo do macho, que permeia toda a cultura popular russa, tem um grande impacto político no país. Não à toa que o Putin volta e meia aparece lutando judô, jogando hockey no gelo, andando a cavalo sem camisa, caçando ou pescando...de preferência sem camisa. Então acho que ele identificou no Bolsonaro alguém que tenha esses mesmos valores, porque ele também tem, e é uma coisa valorizada na Rússia." (Ouça a partir do minuto 26:51)

O podcast de política do UOL também abordou as eleições municipais e as pesquisas de intenção de votos para o segundo turno em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Baixo Clero está disponível no Spotify, na Apple Podcasts, no Google Podcasts, no Orelo, no Castbox, no Deezer e em outros distribuidores. Você também pode ouvir o programa no YouTube. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, não há pesquisa eleitoral em Brasília já que não tem eleição para prefeito na capital federal. O texto foi corrigido.

Internacional