PUBLICIDADE
Topo

Eleições Americanas

EUA: Michigan certifica vitória de Joe Biden no estado

O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, discursa em Wilmington, Delaware - Tasos Katopodis/Getty Images
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, discursa em Wilmington, Delaware Imagem: Tasos Katopodis/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

23/11/2020 18h44

Michigan (EUA) confirmou hoje a vitória de Joe Biden no estado. A certificação garante a Biden os 16 delegados do Colégio Eleitoral, que devem votar a favor do democrata em 14 de dezembro. É neste dia que o Colégio se reúne para que os representantes votem nos candidatos mais votados dos seus estados.

Agora, o Secretário de Estado deve enviar a certificação para assinatura da governadora de Michigan, Gretchen Whitmer.

"O povo de Michigan falou: o presidente eleito Joe Biden venceu o estado por mais de 154 mil votos e será o próximo presidente em 20 de janeiro", escreveu Whitmer em comunicado divulgado nas redes sociais. "Também gostaria de agradecer à Secretária de Estado, Jocelyn Benson, e aos funcionários que garantiram eleições livres, justas e seguras."

O diretor de comunicações da campanha de Biden, Ben Halle, agradeceu o reconhecimento do resultado das urnas. "O presidente eleito Joe Biden venceu de forma retumbante o estado de Michigan por mais de 150.000 votos —14 vezes a margem de Donald Trump em 2016."

No último dia 4, a imprensa americana já apontava a vitória do democrata em Michigan, mas os resultados ainda não eram considerados oficiais.

Com o resultado, o presidente eleito vence o pleito em mais uma federação que elegera o atual presidente Donald Trump em 2016.

Antes mesmo da vitória de Biden, a campanha de Trump manifestou intenção de denunciar "irregularidades" em Michigan e chegou a solicitar uma suspensão na contagem de votos. Segundo a campanha, observadores foram impedidos de se aproximar dos locais de contagem.

A certificação em Michigan torna ainda mais improvável o sucesso da investida de Trump, que continua negando a vitória do democrata. A campanha do presidente garantiu, nas redes sociais, que vai continuar a combater as "fraudes eleitorais" por todo o país: "Os americanos precisam saber que os resultados finais são justos e legítimos."

Tentativa de adiar certificação

No sábado, o Comitê Nacional Republicano e o Partido Republicano de Michigan escreveram ao conselho eleitoral estadual de Michigan pedindo um adiamento de 14 dias na certificação dos resultados da eleição nos EUA para permitir uma auditoria das cédulas no maior condado do Estado.

A carta vem no momento em que o condado de Wayne, que inclui a cidade de maioria negra Detroit, se tornou o foco dos esforços do presidente Donald Trump para invalidar os resultados da eleição de 3 de novembro em estados que foram decisivos em sua derrota para o democrata Joe Biden.

Na carta, os republicanos pedem uma "auditoria completa e transparente" no condado de Wayne, citando "anomalias numéricas e relatos confiáveis de irregularidades processuais" feitos por um candidato republicano perdedor ao Senado.

No dia anterior ao pedido, o gabinete da Secretaria de Estado havia recomendado que o conselho estadual certificasse os resultados, que mostram Biden vencendo em Michigan por 154.187 votos.

O gabinete afirmou que havia pequenos erros de tabulação, mas que derivavam de "erro humano semelhante ao que ocorreu em eleições anteriores" e que não haviam afetado os resultados.

Eleições Americanas