PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

França: Deputados riem ao saber que Brasil indica uso da cloroquina

Primeiro ministro francês Jean Castex fez com que deputados gargalhassem ao saber que Brasil indica cloroquina - Reprodução / YouTube
Primeiro ministro francês Jean Castex fez com que deputados gargalhassem ao saber que Brasil indica cloroquina Imagem: Reprodução / YouTube

Do UOL, em São Paulo

14/04/2021 11h32Atualizada em 14/04/2021 11h34

Deputados franceses riram ao saber que o Brasil ainda indica o uso da cloroquina para pacientes diagnosticados com a covid-19. O medicamento não tem eficiência comprovada cientificamente contra a doença, mas integra o chamado "kit covid" recomendado pelo governo federal.

A cena aconteceu ontem, após o primeiro-ministro Jean Castex anunciar a suspensão de todos os voos entre o Brasil e a França por conta do descontrole da pandemia sob o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Na sessão, Castex respondeu a um deputado que havia questionado as decisões do governo francês em relação ao combate à covid-19 e medidas para proteger os cidadãos do país.

Foi nesse momento que o premiê francês citou, em tom irônico, que uma das coisas que a França não fez foi seguir as recomendações do presidente Jair Bolsonaro. Em seguida, citou a prescrição da cloroquina.

Os parlamentares que acompanhavam a sessão de forma presencial utilizavam máscaras e aplaudiram as declarações de Castex.

Riscos do "kit covid"

Urina escura, inchado e dor são alguns dos impactos gerados no corpo pelo "kit covid". Os medicamentos indicados pelo Ministério da Saúde para combater a covid-19 não têm eficácia comprovada contra a doença, mas seguem sendo divulgados também pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus apoiadores.

O kit é composto principalmente por quatro medicações: a hidroxicloroquina, a azitromicina, a ivermectina e anticoagulantes. O uso combinado desses remédios é considerado por médicos como uma "bomba" no corpo.

Há registros médicos que ligam a hepatite medicamentosa — doença que afeta o fígado e faz com que o paciente necessite de transplante — ao uso do "kit covid".

De acordo com os relatos de profissionais de saúde de grandes hospitais do país, o kit pode estar diretamente ligado aos danos graves causados no fígado e nos rins de pacientes que dão entrada nas UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) após terem utilizado as medicações.

Internacional