PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA dizem que vacinados não precisam mais de máscara nem de distanciamento

No mês passado, o órgão já havia recomendado a dispensa da proteção facial em pequenas reuniões ao ar livre para aqueles que completaram o esquema vacinal - Caitlin Ochs/Reuters
No mês passado, o órgão já havia recomendado a dispensa da proteção facial em pequenas reuniões ao ar livre para aqueles que completaram o esquema vacinal Imagem: Caitlin Ochs/Reuters

Colaboração para o UOL

13/05/2021 16h08Atualizada em 13/05/2021 22h11

O CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos, disse hoje que todos os norte-americanos totalmente vacinados contra covid-19 podem deixar de usar máscara e não precisam mais manter distanciamento social na maioria dos ambientes interno e externos, independentemente do tamanho do local.

No mês passado, o órgão já havia recomendado a dispensa da proteção facial em pequenas reuniões ao ar livre para aqueles que completaram o esquema vacinal.

A ciência é clara: se você está totalmente vacinado, está protegido e pode começar a fazer as coisas que parou por causa da pandemia."
CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos EUA, em comunicado

São consideradas pessoas completamente imunizadas todas aquelas que receberam a dose única da Johnson & Johnson ou a segunda dose da Pfizer e Moderna há mais de 14 dias.

Eficácia das vacinas pesou na decisão

Para justificar a mudança, a agência apontou estudos recentes que mostram que as vacinas apresentam mais de 90% de eficácia contra as formas leves e graves, bem como hospitalizações e mortes no mundo real.

Entre as pesquisas está uma feita com 6.710 profissionais de saúde de Israel, incluindo 5.517 trabalhadores totalmente vacinados. O ensaio revelou que a vacina da Pfizer era 97% eficaz na prevenção de infecções sintomáticas entre os totalmente vacinados e 86% nos assintomáticos.

Com o afrouxamento das medidas as autoridades acreditam que a população não imunizada procure receber as doses. Até ontem, cerca de 154 milhões de pessoas garantiram ao menos uma aplicação. Apenas um terço dos EUA (aproximadamente 117,6 milhões de pessoas) recebeu as duas doses.

O CDC também enfatizou que as vacinas em uso também se mostraram eficazes contra variantes existentes no país.

Após um início frenético, o ritmo de vacinação caiu. A média diária está em 2,16 milhões. O quantitativo representa uma queda de 36% em relação ao pico de 3,38 milhões em meados de abril.

As autoridades ressaltam que o uso de máscaras e distanciamento social ainda deve permanecer durante consultas médicas, idas aos hospitais e asilos, viagens de ônibus, avião, trem ou outros meios de transporte público, além de aeroportos e estações de ônibus. A recomendação também abarca prisões, cadeias ou abrigos para moradores de rua.

Ainda assim, o CDC afirma que leis e regulamentos estaduais, locais ou tribais devem continuar a ser seguidos.

Conselheiro do governo sobre a pandemia, Anthony Fauci, disse que a decisão é um passo importante.

"Precisamos liberalizar as restrições para que as pessoas sintam que estão voltando à normalidade. Não se pode inibir as pessoas de fazerem o que querem, que é uma das razões pelas quais queriam ser vacinadas em primeiro lugar, porque outras pessoas não estão sendo vacinadas", disse

Internacional