PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

Sobrevivente do nazismo recebe ataques no Tiktok: 'Feliz holocausto'

Lily Ebert segura quadro com foto de Anne Frank, vítima do holocausto - Reprodução/Tiktok
Lily Ebert segura quadro com foto de Anne Frank, vítima do holocausto Imagem: Reprodução/Tiktok

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/05/2021 20h19Atualizada em 24/05/2021 20h19

A judia Lily Ebert, de 97 anos, normalmente é tratada como uma heroína por ter sobrevivido ao holocausto e, mais recentemente, à covid-19. Mas com o conflito na Faixa de Gaza entre Israel e Palestina, a húngara começou a recebeu ataques de usuários do Tiktok.

Lily, que já contou a história dela em diversos documentários e no ano passado conheceu o soldado americano que a libertou do campo de concentração de Auschwitz, possui uma conta na rede social chinesa onde responde perguntas e revela curiosidades sobre as consequências do nazismo.

Em uma das postagens, Lily recebeu comentários de ódio do tipo "Feliz Holocausto", "Palestina livre", "Você pode perguntar a ela se Israel exista ela saiu da Alemanha?", "Pergunte se ela acha que o tratamento dado aos palestinos lembra o tratamento que ela recebeu no campo".

Dov Forman, o bisneto de Ebert, publicou no Twitter um print com os comentários e expressou sua opinião. "Nos últimos dias, minha bisavó (sobrevivente de Auschwitz) e eu continuamos a receber mensagens de ódio no Tiktok e no Twitter", iniciou o garoto.

Não permitiremos que isso nos impeça de educar sobre os horrores do passado e a que o ódio pode nos levar. O ódio só gera ódio"

O perfil da Liga Anti-Difamação, uma ONG judaica com sede nos Estados Unidos, saiu em defesa de Ebert ao dizer que nenhum dos vídeos produzidos pela idosa tinham contexto político ou falavam do conflito recente na Faixa de Gaza.

"À medida que a violência entre Israel e o Hamas continua a aumentar, estamos testemunhando um aumento perigoso e drástico do ódio antijudaico aqui mesmo em casa", disse o CEO da organização, Jonathan Greenvlatt, na quinta-feira (20).

Segundo o New York Post, a Liga Anti-Difamação registrou mais de 17 mil tuítes com a menção "Hitler estava certo" entre os dias 7 e 14 de maio.

Internacional