PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Maior chuva em 60 anos prende passageiros em metrô e mata 25 na China

Do UOL, em São Paulo

21/07/2021 00h07Atualizada em 22/07/2021 13h24

Ao menos 25 pessoas morreram após fortes chuvas atingirem a cidade de Zhengzhou, na China, desde ontem, informou a mídia local. Mais cedo, o presidente chinês Xi Jinping já havia confirmado o aumento no número de vítimas. A maioria das mortes aconteceu no metrô, onde passageiros ficaram presos devido às inundações.

De acordo com o serviço nacional meteorológico do país, a cidade recebeu 617,1mm de precipitações em 24h - o equivalente a chuvas de sete meses. Em apenas uma hora, uma estação registrou 201,9 mm de chuvas, quebrando um recorde de 1975.

Segundo dados do governo, mais de 300 mil pessoas precisaram ser evacuadas de suas casas. Ao todo, 1,2 milhão de pessoas foram atingidas pela onda de mau tempo em 89 condados e 560 cidades. Muitas estão sem energia elétrica, água e internet e o transporte ferroviário foi bastante atingido, com cerca de 160 trens bloqueados em ferrovias.

Entre as áreas mais atingidas, está a área metropolitana da capital da província, Zhengzhou. Hoje, uma das cenas mais repercutidas nas redes sociais chinesas foi o resgate de 150 crianças de uma creche na cidade, que ficaram isoladas após as inundações chegarem à instituição.

As fortes chuvas castigam a região central desde o dia 16 de julho. Conforme os dados do governo, entre às 18h do último domingo (18) e o início da madrugada de hoje, já foram registrados 449 milímetros de água, um recorde histórico para a região. Há danos milionários na agricultura do país, com cerca de 20 mil hectares de plantações completamente destruídas.

Metrô foi invadido pela água e prendeu passageiros

Nas redes sociais chinesas, especialmente a Weibo, os registros dos estragos das chuvas impressionam. O metrô de Zhengzhou ficou fora de serviço e a inundação manteve centenas de pessoas presas, enquanto a água subia e só restava aos passageiros esperar o resgate.

Em alguns trechos mais profundos, o túnel do metrô formou forte correnteza, se comportando como rio nas plataformas de embarque e desembarque.

Na superfície, mais prejuízos. Em vídeos gravados por aparelhos celulares, é possível ver a correnteza levar dezenas de carros.

O Corpo de Bombeiros local atuou na reanimação de dezenas de afogados e protagonizaram resgates chocantes de quem era arrastado pela força das águas nas ruas.

Autoridades agora trabalham com a possibilidade de rompimento da represa Yihetan, em Luoyang, também na região. Ela foi danificada em tempestades anteriores e está com uma "falha" de cerca de 20 metros. De acordo com a BBC, o exército local trabalha com o aviso de colapso a qualquer momento.

Além dos estragos das chuvas, a população está tendo que lidar com a falta de energia elétrica, que atinge até mesmo hospitais. De acordo com a Al-Jazeera, a companhia de energia elétrica estadual de Zhengzhou decidiu cortar o suprimento, dado o perigo trazido pelas inundações.

A previsão do tempo indica que as chuvas devem continuar fortes na região por pelo menos mais 24h.

rua inundada China - REUTERS - REUTERS
Pessoas atravessam rua inundada em meio a fortes chuvas em Zhengzhou, província de Henan, na China
Imagem: REUTERS

Barragem em perigo

As atenções também estão voltadas para uma fenda de 20 metros aberta no muro da barragem de Yihetan, em Luoyang, uma cidade de sete milhões de habitantes, na região de Henan, que "pode romper a qualquer momento", advertiu o exército.

Os militares pretendem organizar uma operação de emergência que inclui dinamitar e desviar as cheias para evitar uma catástrofe.

As chuvas sazonais provocam grandes inundações a cada ano na China. Mas a ameaça aumentou nos últimos anos, devido à construção de barragens ou desvios do leito dos rios que muitas vezes cortam as conexões existentes entre os rios e lagos adjacentes.

No ano passado, inundações sem precedentes no sudoeste do país afetaram estradas e obrigaram dezenas de milhares de habitantes a procurar áreas seguras.

*Com informações da AFP

Internacional