PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
2 meses

EUA: Agência aumenta para 6 meses prazo de validade de vacina da Janssen

Vacina Janssen poderá ser armazenada por até 6 meses em temperatura entre 2 e 8° C - KAMIL KRZACZYNSKI / AFP
Vacina Janssen poderá ser armazenada por até 6 meses em temperatura entre 2 e 8° C Imagem: KAMIL KRZACZYNSKI / AFP

Colaboração para o UOL

28/07/2021 22h45

A FDA, agência reguladora de medicamentos dos EUA, similar à Anvisa, decidiu aumentar o prazo de validade da vacina da Janssen contra a covid-19. Atualmente, é permitindo que o produto seja armazenado entre 2 e 8° C por quatro meses e meio. Com a mudança, nas mesmas condições, ela poderá ser guardada por seis meses.

De acordo com a chefe interina da FDA, Janet Woodcock, a extensão foi concedida "após uma revisão completa dos dados enviados pela Janssen". Em um post nas redes sociais, ela explicou que a decisão se aplica a todos os frascos armazenados adequadamente no país.

No entanto, ela alertou que os profissionais de saúde que administram a vacina devem verificar o site da farmacêutica para conferir as datas mais atualizadas conforme os lotes.

Ela explicou, também, que todos os imunizantes de uso autorizado nos Estados Unidos podem ter suas datas de validade alteradas com base em informações apresentados pelos fabricantes.

Nesse mês, a FDA acrescentou um aviso sobre a vacina de dose única com a informação de que há um risco maior de desenvolvimento da síndrome de Guillain-Barré nas primeiras seis semanas após a vacinação.

Isso porque, a partir do monitoramento dos vacinados, foram identificados 100 casos do raro distúrbio neurológico após a injeção de 12,5 milhões de doses. Destes, 95 foram graves e levaram a hospitalização dos pacientes, além de uma morte registrada.

Na última semana, no entanto, um painel de consultores do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) do país afirmou que os benefícios superam os riscos. Também indicaram que pessoas com histórico da síndrome devem buscar doses das fabricantes Pfizer e Moderna.

Coronavírus