PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Homem achado 'à deriva' é acusado de matar mãe e avô por herança milionária

Nathan Carman é acusado de fraudes e assassinato da mãe e do avô - Reprodução
Nathan Carman é acusado de fraudes e assassinato da mãe e do avô Imagem: Reprodução

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/05/2022 09h23

Um americano é acusado de matar seu avô para obter dinheiro do fundo fiduciário e depois assassinar a própria mãe enquanto eles estavam no mar para uma suposta viagem de pesca. O objetivo era ficar com milhões de dólares em herança.

Residente em Vermon, Nathan Carman, 28, foi acusado oficialmente ontem pelas autoridades federais, respondendo por homicídio e fraude.

Promotores federais dizem que a mãe dele, Linda, desapareceu durante uma viagem de pesca em 2016 no barco de seu filho, que o afundou propositalmente em Rhode Island. O jovem foi resgatado oito dias depois por um navio, após ser encontrado flutuando em uma jangada a cerca de 160 km da costa de Massachusetts. Os investigadores alegaram que ele manipulou o barco para que entrasse na água, depois mentiu para a Guarda Costeira e outros policiais sobre o desaparecimento de sua mãe.

Em 2013, Carman matou seu avô John Chakalos atirando nele duas vezes enquanto ele dormia em sua casa em Windsor, Connecticut, dizem os promotores.

"Ambos os assassinatos faziam parte de um esquema para obter dinheiro e propriedades do espólio de John Chakalos e fundos familiares relacionados", declarou a Procuradoria dos EUA em Vermont em comunicado. No entanto, Carman sempre negou que tivesse algum envolvimento com o desaparecimento de sua mãe ou a morte de seu avô.

John Chakalos deixou uma herança de US$ 42 milhões (R$ 215,4 milhões) para suas quatro filhas adultas, incluindo Linda Carman. Segundo os promotores, ele fez sua fortuna construindo e alugando casas de repouso.

De acordo com a NBC, Nathan Carman passou "tempo significativo" com seu avô entre 2012 e 2013 para manipulá-lo. Chakalos, então com 87 anos, colocou US$ 550 mil (aproximadamente R$ 2,8 milhões) nas contas bancárias de seu neto naquela época.

Durante o mesmo período, Carman persuadiu sua mãe a designá-lo como beneficiário de sua herança. Os investigadores afirmaram que enquanto morava em uma casa em New Hampshire, construída pelo avô, Carman guardou um rifle que mais tarde seria usado para o assassinato. No mês seguinte, dezembro de 2013, ele atirou no avô.

"Depois que Nathan Carman matou John Chakalos, e como parte de seu plano para encobrir seu envolvimento no crime, ele descartou o disco rígido de seu computador e a unidade de GPS que estava em seu carro na noite do assassinato", dizem os promotores.

A morte da mãe

Em 2016, Charman se mudou para Vermont, onde estava com problemas financeiros, pois já havia gasto quase todo dinheiro deixado pelo avô. Então, ele começou a organizar a viagem de pesca com a mãe para a noite do dia 17 de setembro. Linda Carman tinha aceitado sair com o filho, pois acreditava que o passeio seria a melhor maneira de interagir com ele e que voltaria para casa no dia seguinte.

Assim que a Guarda Costeira soube do incidente e do desaparecimento de Linda, em 18 de setembro, iniciou uma busca que durou quase uma semana. Um cargueiro encontrou Nathan Carman em um bote salva-vidas. Ele teria sobrevivido com ajuda de comida e água que embalara.

Mas em questão de dias, as autoridades começaram a questionar as causas do naufrágio.

Os investigadores revistaram o apartamento de Carman, mas não o acusaram pelo desaparecimento de sua mãe até que o processo fosse instaurado em 2 de maio. Suas tias argumentaram que ele deveria ser considerado suspeito do incidente, assim como da morte de seu avô. Ontem, a Procuradoria dos EUA em Vermont declarou que Linda Carman foi "assassinada em alto-mar".

Ele deve ser indiciado hoje no Tribunal Distrital dos EUA em Rutland, Vermont. Se o processo for sucedido, Carman pode enfrentar prisão perpétua.

Internacional