PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Amor sem fim: Casal é reunido 70 anos após se apaixonar na Guerra da Coreia

Duane Mann e Peggy Yamaguchi não se viam desde que ele foi chamado de volta para casa durante a Guerra da Coréia - Reprodução/Youtube
Duane Mann e Peggy Yamaguchi não se viam desde que ele foi chamado de volta para casa durante a Guerra da Coréia Imagem: Reprodução/Youtube

Do UOL, em São Paulo

05/07/2022 10h25Atualizada em 05/07/2022 10h25

Um casal de idosos acabou se reencontrando no Japão, após 70 anos separados. Duane Mann e Peggy Yamaguchi se conheceram no clube da Força Aérea durante a Guerra da Coreia, onde Mann consertava máquinas caça-níqueis e Peggy trabalhava como a garota do chapéu.

Com apenas 22 anos, Mann saiu da fazenda de Iowa (EUA) para se tornar um soldado da Marinha na Guerra da Coreia. Enquanto estava no Japão servindo o país, ele conheceu Peggy, que acabou engravidando do rapaz norte-americano.

Para o azar do casal, Mann foi chamado de volta pela Marinha norte-americana e voltou para casa. Tendo deixado ela para trás, ele prometeu que, em breve, a buscaria para que pudessem se casar, o que não acabou acontecendo.

Mann descobriu que o próprio pai ficou pobre e gastou as economias do filho. Para piorar, Peggy parou de escrever para ele - pelo menos ele pensou assim. Um tempo depois, ele descobriu também que a mãe havia queimado as cartas da amada, pois não queria que o filho se "casasse com uma garota japonesa". Mas uma carta que acabou sobrando tinha uma má notícia: ela revelou que perdeu o bebê e se casou com outra pessoa.

Duane Mann e Peggy Yamaguchi há 70 anos - Reprodução/Youtube - Reprodução/Youtube
Duane Mann e Peggy Yamaguchi há 70 anos
Imagem: Reprodução/Youtube

Com culpa pelo que havia acontecido, Mann tinha medo de que ela se sentisse abandonado por ele. "Isso só me cansou. Não é a coisa honrosa a se fazer".

A TV norte-americana KKTV foi a responsável pela história vir à tona e, depois de sucesso nas redes sociais, pessoas do mundo todo ajudaram Mann a buscá-la. Para sorte de ambos, Peggy agora estava do outro lado do rio Mississippi, e não do outro lado do oceano, como antigamente. Ela agora morava em Michigan, onde construiu uma vida com o segundo marido e os três filhos.

Theresa Wong, pesquisadora do canal de TV History, encontrou um artigo de 1955 da Daily Press que trazia a foto, sobrenome e endereço de Peggy. Com essas informações, ela começou a ajudar nas buscas. "Isso apenas me cortou direto na minha alma. Não consigo imaginar carregar esse tipo de desgosto por 70 anos. Eu realmente espero que esta seja a oportunidade de fechar".

E aos 91 anos, Mann finalmente encontrou Peggy. Na reunião em que eles dois novamente se encontraram, o ex-soldado ainda se lembrou da dança deles dois. "Você se lembra da dança", disse ela, e ele, feliz da vida, respondeu que sim.

Aproveitando para dizer o que estava guardado há 70 anos, Mann também lamentou e afirmou que não a abandonou e que, na verdade, não conseguia encontrá-la. Peggy então respondeu que "você deve ter me amado".

Mann considerou que foi "uma experiência libertadora", já que passou 70 anos com sentimentos pela amada, mas foi privado de ter contato com ela por meio de cartas.

Internacional