Não é só novo mapa: qual o plano de Maduro para anexar área da Guiana

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, trabalha para formalizar uma lei para criar uma província venezuelana em Essequibo, região disputada com a Guiana. Ele, inclusive, apresentou um novo mapa, com a incorporação da região. Mas as movimentações de Maduro não se limitam a isso: o presidente venezuelano já nomeou um general como autoridade do território e propõe a expulsão de empresas estrangeiras.

Os planos de Maduro para anexar Essequibo

O presidente autorizou a PDVSA e a CVG, estatais de petróleo e ferro/aço, a criar divisões para atuar em Essequibo, cedendo licenças de exploração.

A ideia de Maduro é revogar as licenças cedidas pela Guiana para a exploração dos recursos, que era feita por empresas estrangeiras ou da própria Guiana.

Proponho [dar] três meses a todas essas empresas para se retirarem dessas operações no mar.
Nicolás Maduro, ao comentar os planos de exploração no mar de Essequibo

Ele também ordenou que seja criado um posto militar na Guiana Essequiba, para supervisionar o novo Estado; o presidente não deu detalhes sobre as tarefas do grupo, que ficará situado em Tumeremo, que faz fronteira com a região em disputa.

Ele designou o general Alexis Rodríguez Cabello como autoridade única do território de 160 mil quilômetros quadrados.

O governo venezuelano ainda deve entregar cédulas de identidade aos habitantes de Essequibo e implantar um plano de "atenção social" para a população da região disputada.

O presidente da Guiana, Irfaan Ali, disse que levaria as promessas de Maduro às Nações Unidas e à Corte Internacional de Justiça (CIJ), que já vetou que a Venezuela tome qualquer medida que altere o status quo na região rica em petróleo.

Continua após a publicidade

Maduro já deixou claro em suas declarações que pretende anexar Essequibo ao país mesmo sob oposição de algumas nações.

*Com informações de AFP, Reuters e Estadão Conteúdo

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes