Topo

Manchas de óleo que atingem a Bahia já se aproximam de Abrolhos

Area de proteção ambiental marinha de Abrolhos na costa do sul da Bahia  - Rubens Cavallari/Folhapress
Area de proteção ambiental marinha de Abrolhos na costa do sul da Bahia Imagem: Rubens Cavallari/Folhapress

José Maria Tomazela

23/10/2019 15h51

As manchas de óleo que estão chegando às praias do Nordeste desde o início de setembro já se aproximam de Abrolhos, no sul da Bahia. A Marinha informou que as ilhas ainda não foram atingidas. O arquipélago detém os bancos de corais de maior diversidade do Atlântico Sul, protegidos pelo Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, a primeira unidade de conservação marinha do Brasil.

No fim de semana, o óleo foi avistado entre Ilhéus e Itacaré, ao sul da Baía de Todos os Santos. Conforme o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICNMBio), que administra o parque de Abrolhos, as equipes que atuam no monitoramento realizarão hoje um sobrevoo nas ilhas para avaliar como está a região.

Os deslocamentos realizados de barco não constataram a presença do óleo nas imediações. Se forem detectadas manchas, será acionado o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), integrado pela Marinha, Ibama e Agência Nacional do Petróleo, para o envio de barcos e ações de contenção, segundo o ICMBio.

A Marinha informou que o GAA não constatou manchas atingindo Abrolhos. "No entanto, como forma de monitoramento da localidade, estão programados voos regulares na região. Para amanhã, dia 23 de outubro, dois sobrevoos no sul da Bahia até o Arquipélago de Abrolhos estão programados", informou nesta terça.

Ainda segundo a Marinha, o navio-patrulha Guaíba partiu das proximidades de Recife, ao amanhecer desta terça, para retomar as buscas por manchas de óleo no litoral do Nordeste. A cidade da costa mais próxima de Abrolhos é Caravelas, no litoral sul baiano. Segundo a prefeitura as manchas de óleo ainda não tocaram as praias do lugar.

Preocupação

Na segunda-feira, 21, durante reunião com o comandante do 2º Distrito Naval da Marinha, vice-almirante André Luiz Santana, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), manifestou preocupação com o avanço das manchas em direção de Abrolhos. "De nossa parte, foi apresentada a inquietação de como a situação pode ser conduzida a fim de reduzir impactos e danos à natureza", disse o governador.

Segundo ele, além de proteger as áreas ainda não atingidas, é preciso fazer a limpeza do óleo já instalado. Costa lembrou que o governo forneceu equipamentos e contratou empresa para a retirada do óleo que atingiu as praias, mas não tem como conter o produto em alto mar. Até esta terça-feira, tinham sido afetados sete dos nove manguezais do litoral norte da Bahia: Jacuípe, Inhambupe, Imbassaí, Itaririri, Itapicuru, Subauma e Pojuca.

O óleo atingiu também o Morro de São Paulo, no município de Cairu, arquipélago de Tinharé, ao sul da Ilha de Itaparica. A Segunda e a Terceira praias foram interditadas. De acordo com a secretária de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, Fabiana Pacheco, as primeiras manchas foram avistadas durante a madrugada desta terça-feira. Os passeios de barco ao redor da ilha foram suspensos.

Darwin

O Arquipélago de Abrolhos é constituído por cinco ilhas, distantes 75 quilômetros da costa de Caravelas. A Ilha de Santa Bárbara, onde está o farol da Marinha, é a única habitada. As outras quatro são áreas inatingíveis, onde o desembarque é proibido. As ilhas ocupam área de 913 km2, pertencente ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos. Visitado por Charles Darwin em 1832, o arquipélago protege o principal berçário de baleias-jubarte do Atlântico Sul, que migram para Abrolhos para ter seus filhotes, e abriga tartarugas ameaçadas de extinção.

Meio Ambiente