PUBLICIDADE
Topo

Rio+20: Carta da Terra quer ser um "mapa" para uma sociedade mais justa

Matheus Lombardi

Do UOL, no Rio

15/06/2012 16h02

Mais preocupadas com as atitudes do que com as palavras e vírgulas de um documento, as entidades que fazem parte do grupo de implementação da Carta da Terra querem criar uma espécie de "mapa" para que atitudes sustentáveis possam ser seguidas por pessoas, empresas e governos.

A Carta da Terra é uma declaração de princípios que busca inserir na sociedade princípios mais éticos na relação com o meio ambiente. Empresas e governos utilizam os princípios do documento para nortear decisões e projetos.

“Queremos dar um direcionamento para uma sociedade mais justa. A iniciativa começou com a ONU e não chegou a um acordo. Agora, o documento está na mão da sociedade. Queremos que as pessoas peguem o documento e o utilizem na prática. Vamos deixar que outras pessoas fiquem apenas discutindo. Nós temos que agir”, declarou Mirian Vilela, da representante Carta da Terra Internacional.

Porém, o apoio das principais potências mundiais é essencial que para que todo o esforço  da Rio+20 tenha um resultado prático, segundo o diretor do WWF Brasil, Kenzo Jucá Ferreira.

“A falta de líderes das principais economias preocupa em relação aos resultados que serão obtidos aqui na Rio+20. O mundo vive uma encruzilhada e, agora, é a hora de encontrarmos novas diretrizes”, afirmou.

Ainda falta apoio para implementação

Apesar de ter mais de dez anos, os organizadores do movimento da Carta da Terra ainda sentem falta de apoio, principalmente da ONU (Organização das Nações unidas).

“É importante que a ONU assuma esse processo. Ainda faltam reconhecimento e aplicabilidade da Carta da Terra”, disse o conselheiro do Instituto Alternativa TerraAzul, Pedro Ivo.

Os encontros e debates que serão realizados durante a Cúpula dos Povos, evento paralelo a Rio+20, serão importantes para criar uma rede nacional que divulgue os princípios éticos do documento.

“Aqui esperamos consolidar todas essas discussões que já duram anos. Falta a consciência de que não estamos separados do meio ambiente”, declarou Alexandra Reschke, secretária-executiva do IDS (Instituto Democracia e Sustentabilidade).

Meio Ambiente