PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Ativistas do Greenpeace são transferidos para prisão de São Petersburgo

12/11/2013 20h58

Os 28 ativistas do Greenpeace e dois jornalistas que estavam presos na cidade russa de Murmansk foram transferidos para cadeias em São Petersburgo na tarde desta terça-feira (12). O grupo foi detido no dia 19 de setembro, após um protesto pacífico contra a exploração de petróleo no Ártico. Os 30 chegaram por volta de meio-dia, horário local, à estação de Ladozhsky.

O Comitê de Investigação russo já começou a entrar em contato com a família dos ativistas para avisar da transferência. Eles foram levados para diferentes centros de detenção, e ainda não se sabe se o novo local vai significar alguma mudança nas condições, se comparado com a prisão de Murmansk, informou a ONG. O motivo da transferência não foi divulgado pelas autoridades do país. Um time de advogados do Greenpeace Internacional já está de prontidão na cidade.

"Essa transferência é um novo capítulo, mas ainda é a mesma história: são homens e mulheres inocentes, detidos e ameaçados de ficar anos na prisão por um crime que não cometeram", comentou o coordenador da campanha do Ártico do Greenpeace Internacional, Ben Ayliffe. "Eles protestaram pacificamente, movidos por suas convicções, e estão sendo punidos por isso. Devem ser soltos imediatamente".

O grupo ficará isolado por um curto período – não determinado pelas autoridades russas –, sem contato, inclusive, com advogados. O procedimento é regra no país: quando há transferência de presos, eles são colocadas em quarentena para evitar qualquer possibilidade de contágio de doenças infecciosas.

No dia 24 de novembro, termina o prazo estipulado pela corte de Murmansk para as investigações sobre pirataria. Se o Comitê de Investigação russo quiser estender o prazo, terá que submeter o pedido a uma corte em São Petersburgo com pelo menos uma semana de antecedência. Nesse caso, haveria novas audiências, que ocorreriam possivelmente entre os dias 17 e 24 de novembro. O período máximo da prisão preventiva é de quatro meses.

Meio Ambiente