PUBLICIDADE
Topo

Política

Efeito do mensalão em 2014 deve ser pequeno, diz marqueteiro de Aécio

Fernando Rodrigues

Do UOL, em Brasília

23/09/2013 06h00

O antropólogo e marqueteiro político do PSDB, Renato Pereira, diz não acreditar que o mensalão “tenha muito impacto” na eleição de 2014. “A gente acabou de sair de uma eleição, em 2012, em que se teve todo o drama público do julgamento, acontecendo diante da televisão. Não vi nenhuma candidatura do PT sendo prejudicada por conta disso”, diz ele.

 

 

Em entrevista ao programa Poder e Política, do UOL e da Folha, Renato Pereira afirma que há “uma sobrevalorização enorme” a respeito do possível efeito eleitoral do julgamento do mensalão, que envolve políticos do PT e deve se estender durante 2014, ano de sucessão presidencial e de escolha de governadores, deputados e senadores.

Aos 53 anos, Renato foi escolhido pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) para fazer os programas de TV tucanos. Deve comandar no ano que vem o marketing aecista na corrida presidencial.

Nascido na Suíça, filho de diplomatas, o marqueteiro acumula experiência de ter cuidado da propaganda das campanhas vitoriosas do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e do prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, ambos do PMDB. Fez também as campanhas do candidato de oposição derrotado na Venezuela, Henrique Capriles.

Uma abordagem possível para o mensalão na campanha do ano que vem seria usar o caso para discutir a “impunidade” no país. “É um tema relevante do ponto de vista dos princípios. Mas não por seu peso eleitoral. O peso eleitoral acho que é reduzido”.

O marqueteiro tucano acha que uma eventual candidatura a presidente de José Serra por outro partido ajudará a oposição. “É matemático”, diz ele, afirmando que quando há mais concorrentes há também mais chances de levar a disputa para o segundo turno. Mas seria um desfecho ruim para o PSDB, que não demonstraria unidade.

O PSDB, avalia Renato, “perdeu sua identidade popular” nacionalmente. Ficou com a imagem de um partido sem agenda social. É como se “tivesse mais compromissos com a elite”, algo que considera uma interpretação errada e propagada pelo PT.

Acesse a transcrição completa da entrevista.

A seguir, os vídeos da entrevista (rodam em smartphones e tablets):

1) Principais trechos da entrevista com Renato Pereira (12:08)

2) 'Serra candidato ajuda oposição, mas é ruim para PSDB' (2:24)

3) PSDB perdeu identidade popular, diz Renato (2:14)

4) Efeito do mensalão será pequeno em 14, diz Renato (3:49)

5) Eleitor não é fiel a ninguém, afirma Renato (4:35)

6) Vida pessoal de Aécio não terá impacto, diz Renato (1:38)

7) 'Candidatos não revelam o que pensam de temas morais' (2:24)

8) Renato: FHC é essencial, mas eleição é sobre o futuro (3:20)

9) Marqueteiros são alvo de preconceito, diz Renato (1:53)

10) Contato individual com eleitor será relevante em 14 (3:03)

11) Renato: Uso narrativa documental, pouco publicitária (1:44)

12) Quem é Renato Pereira? (2:00)

13) Íntegra da entrevista com Renato Pereira (80 min.)

 

Acompanhe Fernando Rodrigues no Twitter e no Facebook

Política