Operação Lava Jato

Ministro Cardozo diz que Delcídio mentiu por vingança

Do UOL, em São Paulo

As afirmações do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) na delação premiada à Justiça têm clara motivação de vingança. A afirmação é do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, em entrevista coletiva nesta quinta-feira (3). Cardozo assumiu a Advocacia Geral da União (AGU).

Cardozo saiu em defesa da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmando que nem ele nem a presidente tiveram qualquer influência na condução das investigações da Operação Lava Jato. "É um absurdo imaginar que eu ou a presidente pudéssemos ter qualquer influência nas decisões da Suprema Corte ou que os arriscássemos a interferir em qualquer investigação. Será que alguém acha que tentaríamos fazer isso?"

Na manhã desta quinta-feira, a revista "IstoÉ" publicou reportagem em que revela trechos de delação premiada do senador Delcídio Amaral, que foi preso preventivamente por tentar obstruir investigações da operação. A delação ainda precisa ser homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Segundo a revista, Delcídio teria dito em delação premiada que a presidente Dilma Rousseff tentou atuar ao menos três vezes para interferir na Operação Lava Jato por meio do Judiciário.

Durante a tarde, Delcídio Amaral divulgou uma nota nesta quinta-feira (3) na qual não confirma o conteúdo da reportagem da revista "IstoÉ" segundo a qual ele teria feito um acordo de delação premiada e citado a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, ambos do PT.

'Sem credibilidade'

Na delação, Delcídio teria citado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e detalhado os bastidores da compra da refinaria de Pasadena, no Texas, pela Petrobras.

Cardozo disse que Delcídio está "inconformado" supostamente pelo fato de o governo não ter agido para tirá-lo da prisão (ele ficou 87 dias detido, dentro das investigações da Lava Jato. "É vingança", disse nesta tarde, em pronunciamento.

Ele também questionou se o senador petista seria uma boa fonte sobre as acusações investigadas na Lava Jato. "Ele não tem credibilidade. Não será o cumprimento de uma vingança espúria, já que ele poderia ter condicionado a delação à omissão das informações até que pudesse ficar livre de uma eventual cassação? Se alguém quer dar credibilidade a isso, que dê. Delcídio parece querer dividir o ônus do que fez com os outros."

'Delação não é sentença'

O ex-ministro da Justiça minimizou também o impacto das delações premiadas. "A delação é um ponto de partida e não um ponto de chegada, não é conclusão de inquérito; Não pode ter peso de sentença. A delação de Delcídio não para em pé porque nós (do governo) sabemos o que aconteceu."

 

Veja quais são os pontos mais explosivos da delação de Delcídio

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos