Operação Lava Jato

PF suspeita que Prefeitura de SP ocultou irregularidades do Instituto Lula

Flávio Costa e Fernando Notari

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/TV Globo

    Instituto Lula foi alvo de mandado de busca e apreensão cumprido pela PF

    Instituto Lula foi alvo de mandado de busca e apreensão cumprido pela PF

A Polícia Federal vê indícios de que funcionários da prefeitura de São Paulo se prontificaram a ocultar irregularidades do Instituto Lula. A afirmação consta no relatório da equipe técnica da PF, que foi incluído nesta quinta-feira (17) nos autos do processo de quebra de sigilo telefônico do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras pessoas investigadas no âmbito da Operação Lava Jato.

"Constam interceptadas ligações nas quais há indícios de que funcionários da subprefeitura do Ipiranga, vinculada à Prefeitura de São Paulo/SP, estejam se prontificando a ocultar irregularidades relacionadas ao Instituto Lula", afirmam os peritos da PF no relatório.
 
A quebra de sigilo telefônico foi autorizada pelo juiz Sergio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba, no dia de 19 de fevereiro. O relatório da PF se concentra nas gravações realizadas entre os dias 20 de fevereiro a 5 de março.

O Instituto Lula afirma lamentar "a multiplicação de ilações por uma instituição séria como a Polícia Federal, o que gera prejulgamento de indivíduos e que não contribui para investigação séria e responsável".

Na manhã de 23 de fevereiro, a PF interceptou uma conversa telefônica entre a subprefeita do bairro de Ipiranga (zona sul de São Paulo), Edna Diva Miani Santos, e duas funcionárias do Instituto Lula, de nomes Regina e Marta. Na ligação, Edna se prontifica a auxiliar os responsáveis do Instituto Lula a regularizar e sanar pendências "que se arrastam há anos na subprefeitura do Ipiranga", afirma os peritos da PF. "Pelo conteúdo da ligação, sugere-se que Edna esteja tentando ocultar essas irregularidades das autoridades e da imprensa"

Edna é funcionária de 40 anos de carreira da prefeitura de São Paulo. Ocupa o cargo de subprefeita de Ipiranga, desde o dia 14 de outubro de 2015.

Em outras ligações interceptadas pela PF mostram o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, tenta regularizar a planta da entidade. A análise é do chamado "Núcleo de Análise - Grupo de Trabalho Lava Jato" e foi enviado ao delegado da PF, Luciano Flores de Lima". Outra análise dos peritos deverá ser juntada aos autos no próximo dia.

 

Outro lado

A assessoria de imprensa do Instituto Lula enviou nota em que comenta as suspeitas da Policia Federal:

"A Polícia Federal já chegou a dizer, em um relatório, que o Instituto Lula teria construído uma sede, sendo que ele funciona na mesma casa desde 1991. Resolver pendência, que foi o tema do diálogo grampeado, é diferente de ocultar irregularidades.

O grampo indica que sequer foi o Instituto Lula quem ligou para a subprefeitura. Lamentamos a multiplicação de ilações por uma instituição séria como a Polícia Federal, o que gera prejulgamento de indivíduos e que não contribui para investigação séria e responsável".

Por meio da assessoria de imprensa de Prefeitura de São Paulo, a subprefeitura Ipiranga "esclarece que a subprefeita Edna Miani Santos, empossada há cinco meses, ligou há cerca de 30 dias para o Instituto Lula com o objetivo de cobrar documentos para regularização do imóvel onde funciona o referido instituto. Os documentos foram encaminhados e o processo tramita regularmente."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos