Operação Lava Jato

Câmara não paga e delator banca a passagem para depor contra Cunha

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

  • Pedro Ladeira-5.abr.2016/Folhapress

    Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados

    Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados

O delator da Lava Jato Leonardo Meirelles teve que custear com recursos próprios sua viagem de São Paulo a Brasília para depor nesta quinta-feira (7) no Conselho de Ética depois de a Câmara dos Deputados não responder à comissão sobre se autorizaria o pagamento da passagem.

Meirelles depõe nesta quinta-feira (7) no processo contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele deve falar sobre a ligação de Cunha com contas na Suíça atribuídas ao peemedebista.

Segundo o presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), a Presidência da Câmara recebeu o pedido para reembolso da viagem no último dia 31 e, desde então, não houve nem aprovação nem negativa do pedido. "O presidente ficou em silêncio. Houve omissão", disse.

Segundo Araújo, que já foi por três vezes presidente do Conselho, o fato é inédito. "É fato inédito. Sou presidente desse Conselho pela terceira vez e nunca pedi a logística para trazer testemunha e não fui atendido. Pela primeira vez a Presidência da Casa não defere o pedido e não diz o porquê", disse.

O deputado Nelson Marchesan Junior (PSDB-RS), titular da comissão, afirmou que o não pagamento da viagem da testemunha é motivo para pedir à Justiça o afastamento de Cunha da Presidência da Câmara.

"Para mim isso é motivo de que comecemos a pensar em pedir judicialmente o afastamento do presidente da Câmara", disse "Acho que isso é um fato indubitável de afastamento", afirmou Marchezan.

Araújo afirmou que o Conselho de Ética vai pedir o reembolso da viagem paga por Meirelles.

O advogado que representa Cunha no processo da comissão de ética, Marcelo Nobre, afirmou que o fato de Meirelles ter pago sua própria passagem mostra que ele tem interesse no processo contra Cunha e por isso não poderia depor.

Cunha é investigado no Conselho por ter supostamente omitido a existência de contas na Suíça. Em março de 2015, ele chegou a afirmar em depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) não possuir qualquer conta que não fossem as declaradas no seu imposto de renda.

Posteriormente, investigação da Procuradoria-Geral da República identificou ao menos quatro contas do deputado e familiares na Suíça.

A defesa do peemedebista alega que o deputado não possui contas bancárias, mas trusts, um tipode investimento para o qual a lei não exige sua declaração à Receita Federal.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o presidente da Câmara afirmou que não despachou no pedido de passagem por se declarar impedido, já que se tratava de um processo contra ele. A Presidência da Câmara informou, nesta quinta-feira, que Cunha encaminhou o pedido ao 1º vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), e a autorização para a viagem foi concedida ainda na quarta-feira (6).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos