Operação Lava Jato

Para Rodrigo Maia, caixa 2 e corrupção são casos diferentes

Do UOL, em São Paulo

Em entrevista veiculada na noite desta sexta-feira (12) ao "SBT Brasil", o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu que não se deve misturar os casos de políticos que fizeram uso de caixa 2 em campanhas eleitorais com aqueles envolvidos em casos de corrupção.

Maia foi entrevistado pelo jornalista Kennedy Alencar, que o questionou sobre uma proposta de anistia a políticos delatados na Operação Lava Jato, que vem sendo discutida nos bastidores do Congresso Nacional.

"A lei já faz essa distinção, não é isso? Crime eleitoral é um caminho e o resto é corrupção", afirmou Maia. De acordo com o presidente da Câmara "não se pode misturar quem pegou dinheiro de um contrato superfaturado e enriqueceu ilicitamente e quem pegou dinheiro para campanha, quem fez eleição."

Apesar dessa declaração, Maia se disse também favorável ao agravamento de pena de quem comete caixa 2 em campanhas eleitorais, como consta nas "Dez Medidas Contra Corrupção", do Ministério Público Federal. Porém, ele ressaltou que a lei não pode retroagir para quem praticou o crime eleitoral no passado.

"Eu sou a favor [de agravar a pena]. Só que a lei de quem usou Caixa 2 no passado é uma. E ela não pode ser modificada para prejudicar [quem cometeu caixa 2 no passado] ", disse. Maia declarou ainda que irá propor "uma reforma política verdadeira", após as eleições municipais, que serão realizadas em outubro.

Eduardo Cunha

O presidente da Câmara defendeu também sua decisão de marcar para o dia 12 de setembro a sessão plenária que decidirá se o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será cassado ou não. "Pode ter certeza que vai ter mais de 400 deputados na Casa. A minha intenção é votar com 450 deputados. Eu não vou entrar para história como o presidente que pautou [o processo de cassação] de Eduardo Cunha com quórum baixo."

Em outro trecho da entrevista, Maia se disse favorável à aprovação pelo Congresso Nacional de pautas polêmicas da gestão interina de Michel Temer (PMDB), a exemplo da reforma da Previdência e da PEC que limita os gastos do governo. "No passado para cada nove pessoas que trabalhavam uma se aposentava. Agora a proporção é de dois para um. Está ficando claro que essa conta não vai fechar. E quando essa conta não fecha quem é que vai pagar? É o trabalhador com um salário menor."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos