Moro cita risco de fuga ao exterior para prender Eduardo Cunha

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

O juiz federal Sergio Moro citou o risco de uma eventual fuga do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso nesta quarta-feira (19) pela Operação Lava Jato. Em seu despacho, Moro diz que como o rastreamento dos recursos financeiros de Cunha ainda não foi finalizado, haveria um "risco maior de fuga para o exterior".

"Enquanto não houver rastreamento completo do dinheiro e a total identificação de sua localização atual, há um risco de dissipação do produto do crime, o que inviabilizará a sua recuperação. Enquanto não afastado o risco de dissipação do produto do crime, presente igualmente um risco maior de fuga ao exterior, uma vez que o acusado poderia se valer de recursos ilícitos ali mantidos para facilitar fuga e refúgio no exterior", disse Moro em seu despacho, segundo trecho do documento divulgado pela Polícia Federal e pelo MPF (Ministério Público Federal) do Paraná.

A prisão de Cunha foi decidida por Moro após um pedido do MPF. No pedido de prisão, os procuradores da força-tarefa da Lava Jato citaram 10 motivos pelos quais Eduardo Cunha poderia representa um risco à instrução do processo.

Entre os motivos apresentados pela força-tarefa para justificar a prisão de Cunha estão medidas tomadas por ele quando ainda era parlamentar: requerimentos junto ao TCU (Tribunal de Contas da União) e à  Câmara dos Deputados sobre a empresa Mitsui para, segundo a força-tarefa, forçar o lobista Júlio Camargo a lhe pagar propina; e contratação da empresa Kroll pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Petrobras para, também segundo a Lava Jato, diminuir a credibilidade de colaboradores da Operação Lava Jato.

A prisão de Cunha foi feita como parte do processo que o ex-deputado responde na Justiça Federal por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas referente à aquisição de um campo exploratório de petróleo no Benin, na África, pela Petrobras, em 2011.

A ordem de prisão foi expedida pelo juiz Sergio Moro na última terça-feira (18). Também foi decretado o bloqueio de bens de Cunha no valor de R$ 220.677.515,24.

ADRIANO MACHADO -12.set.2016 /Reuters
Cunha deixa plenário da Câmara após ter mandato cassado, em setembro

Outro lado

Uma das advogadas de Eduardo Cunha, Fernanda Tortima, disse que ainda está lendo os documentos que embasam o mandado de prisão contra o ex-deputado e que deverá se manifestar sobre o caso em breve.

"Que a Justiça se faça, para o bem do país", diz Chico Alencar (PSOL-RJ)

Outras denúncias contra Cunha

O deputado também é alvo de uma terceira denúncia criminal, que ainda não foi aceita pela Justiça. O caso foi encaminhado pelo ministro Teori Zavascki à Justiça Federal do Distrito Federal.

A denúncia acusa o peemedebista de participar de um esquema de propina ligado à liberação de recursos do FI-FGTS, fundo de investimentos do FGTS. A ação é baseada na delação do ex-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto, apontado como próximo a Cunha. Em nota divulgada à época da divulgação da denúncia, Cunha afirmou que não possui "operador" e não autorizou "ninguém a tratar qualquer coisa" em seu nome. 

Há ainda seis inquéritos em que Cunha é investigado suspeito de participação em casos de corrupção. O deputado nega as suspeitas e tem afirmado que vai provar sua inocência.

Um inquérito apura se ele recebeu R$ 52 milhões em propina do consórcio formado por Odebrecht, OAS e Carioca Christiani Nielsen Engenharia, que atuava na obra do Porto Maravilha, no Rio.

Outro inquérito investiga o deputado por suposto recebimento de propina da Furnas Centrais Hidrelétricas.

Cunha também é alvo de inquéritos que investigam o financiamento de diversos políticos por meio do petrolão, pela suposta venda de emendas parlamentares, pela apresentação de requerimentos para pressionar o banco Schahin e pelo suposto favorecimento à OAS em troca de doações eleitorais.

O peemedebista teve o mandato cassado em setembro.

Eduardo Cunha nega conta na Suíça e repete: ele tem um trust

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos