Operação Lava Jato

O que seria possível fazer com os R$ 222 milhões desviados por Sérgio Cabral

Fabiana Maranhão

Do UOL, em São Paulo

  • Wilton Jr/Estadão Conteúdo

    O ex-governador do RJ Sérgio Cabral (PMDB) foi preso pela manhã em seu apartamento no Leblon, zona sul do Rio. À noite, ele foi levado para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste

    O ex-governador do RJ Sérgio Cabral (PMDB) foi preso pela manhã em seu apartamento no Leblon, zona sul do Rio. À noite, ele foi levado para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira (17) durante a 37ª fase da Operação Lava Jato. Ele é acusado de chefiar um esquema que desviou cerca de R$ 222 milhões dos cofres públicos.

Segundo os investigadores, a prisão de Cabral tem relação direta com a grave crise financeira enfrentada atualmente pelo Estado. A reportagem do UOL fez as contas para saber o que o atual governo conseguiria fazer com esse valor em três áreas essenciais.

Robson Ventura/Folhapress

Educação

Com o dinheiro desviado, seria possível manter, durante um ano, 69.306 crianças em escolas públicas no Estado. De acordo com estimativa feita pelo MEC (Ministério da Educação), o custo anual de um aluno nas séries iniciais do ensino fundamental no Rio de Janeiro é de R$ 3.203,18.

Getty Images

Saúde

Com R$ 222 milhões, o governo do Rio de Janeiro conseguiria custear, por quase oito meses, o funcionamento das 29 UPAs (Unidade de Pronto Atendimento) estaduais. Essas unidades funcionam todos os dias, durante 24 horas, e podem atender casos de urgência e emergência. O Executivo estadual repassa R$ 1 milhão por mês para OSs (Organizações Sociais) que administram as UPAs.

F?bio Motta/Estad?o Conte?do

Segurança

O montante desviado pelo grupo criminoso é equivalente ao que foi gasto pelo governo estadual com policiamento ao longo de todo o ano de 2015. Segundo dados disponibilizados no Portal da Transparência do Rio de Janeiro, o Executivo gastou no ano passado cerca de R$ 237 milhões com policiamento em todo o Estado.  

"Mesada" para Cabral

Cabral foi preso em seu apartamento no Leblon, bairro nobre da zona sul do Rio. Ele comandou duas vezes o governo do Estado do Rio, entre 2007 e 2014. Na época, seu vice era o atual governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB).

De acordo com os investigadores, Cabral ganhava uma espécie de "mesada mensal" das empreiteiras envolvidas no esquema de desvio de dinheiro. Em troca, o governo favorecia as construtoras, facilitando a criação de cartel e fraudando licitações.

Análise: prisão de Cabral pode atingir Pezão

A Lava Jato afirma que o ex-governador recebeu de forma indevida mais de R$ 40 milhões das empresas Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia. Ele é investigado por quatro crimes: corrupção ativa, corrupção passiva, pertencimento a organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo as investigações, o esquema movimentou valores pagos por empreiteiras que atuaram na reforma do Maracanã, na construção do Arco Metropolitano, no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento, do governo federal) das favelas e em contrato de terraplanagem do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro).

O UOL entrou em contato com a assessoria de imprensa do ex-governador, que ainda não se pronunciou. A reportagem também ligou para o celular de um advogado de Cabral, mas ninguém atendeu. Foram enviadas mensagens para esse celular assim como e-mails para o advogado, mas nenhuma resposta foi enviada. O UOL continua tentando ouvir a defesa do ex-governador. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos