PUBLICIDADE
Topo

Política

Garotinho espera chegada de decisão do TSE ao Rio para deixar prisão domiciliar

Inácio Teixeira/Coperphoto
Imagem: Inácio Teixeira/Coperphoto

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

24/11/2016 17h07

O advogado do ex-governador do Rio de Janeiro Antonhy Garotinho, Fernando Fernandes, afirmou na tarde desta quinta-feira (24) que o político espera a chegada da decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que determina a sua liberação ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Rio para deixar a prisão domiciliar.

A previsão é que todo o tramite para soltura, que inclui o pagamento de cerca de R$ 88 mil de fiança, seja realizado até sexta-feira (25).

"Agora são questões burocráticas. Haverá uma comunicação do TSE para o TRE, que comunicará ao juiz da causa para emitir uma via a ser paga e, após isso, emitir um alvará de soltura. Isso deve ocorrer entre hoje e amanhã por questões de horário", afirmou Fernandes.

Segundo o advogado, a prisão de Garotinho envolveu "uma série de ilegalidades", incluindo a sua transferência do hospital Souza Aguiar para o Complexo Penitenciário de Bangu depois que o ex-governador passou mal na sede da Polícia Federal.

O ex-governador pretende processar "todos os agentes públicos" responsáveis pelo caso, incluindo o juiz que determinou a transferência.

"As pessoas que cometeram esses atos, que expuseram a imagem do governador, os agentes públicos, vão responder criminalmente e administrativamente pelos abusos cometidos", afirmou. "Damos gracas a deus por termos bons juízes e chegarmos ao fim desse processo com o governador vivo. Uma tragédia poderia ter acontecido."

Garotinho, de acordo com o advogado, tinha um encontro esta semana com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, desmarcado por conta de sua prisão, mas o ex-governador pretende remarcar. "Ele deve ir tão logo esteja recuperado e tenha o alvará de soltura. Ele tem questões politicas e denúncias, mas isso cabe ao governador explicar".

Garotinho permanece em prisão domiciliar no apartamento de sua família, no Flamengo, na zona sul do Rio de Janeiro, desde a última sexta-feira (18).

Política