Dilma critica repressão a protestos e diz que há um 'golpe dentro do golpe'

Bernardo Barbosa

Do UOL, em São Paulo

  • Ueslei Marcelino - 29.ago.2016/Reuters

    Dilma criticou a repressão da polícia ao protesto contra a PEC 241 na terça

    Dilma criticou a repressão da polícia ao protesto contra a PEC 241 na terça

A ex-presidente Dilma Rousseff disse esta quarta-feira (30) em São Paulo, durante evento da CUT (Central Única dos Trabalhadores), que está em curso um "avanço do Estado de exceção sobre a democracia". Ela comparou a repressão ao protesto contra a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 55 na terça (29), em Brasília, a cenas da ditadura militar (1964-1985).

"Certas cenas que eu pensava estarem enterradas no passado, na ditadura militar, ressurgiram com uma força muito grande", disse. "Foi uma repressão descarada, aberta, sem pudor."
 
A ex-presidente integrou organizações de guerrilha contra a ditadura militar, como Colina (Comando de Libertação Nacional) e VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares). Durante o regime, ela ficou presa por três anos por causa de sua militância e foi torturada na cadeia.
 
Alan Marques / Folhapress
Manifestação na terça-feira em Brasília teve vandalismo e repressão
 
Segundo Dilma, a PEC --que prevê um teto de gastos do governo durante 20 anos-- "compromete a democracia" e traz de volta a "política neoliberal que tínhamos enterrado em 2003", quando Luiz Inácio Lula da Silva assumiu a presidência.
 
Dilma também falou que a aprovação da PEC do teto de gastos desqualifica o voto e a política, com o objetivo de fazer com que a população não se interesse em votar.

"Estão destruindo a nossa capacidade de fazer política."

'Construíram um inimigo'

A ex-presidente afirmou que ocorre neste momento uma "perseguição desmedida aos opositores políticos". Segundo ela, os movimentos de ocupação de escolas são tratados como inimigos, mas não "a ultradireita que invade o Congresso para defender intervenção militar". 
 
"Construíram um inimigo. Em nome de combater esse inimigo, todas as exceções são justificadas", afirmou.
 
Segundo Dilma, um Estado de exceção é "capaz de criminalizar atos que são legítimos numa sociedade democrática e perdoar outros que não são".
 
"Não é considerado crime por advocacia administrativa defender que se libere a construção de um prédio de 106 metros numa área que o Patrimônio Histórico considerou restrita", disse, em alusão à polêmica envolvendo o ex-ministro Geddel Vieira Lima, acusado de pressionar pela liberação das obras de um prédio onde comprou apartamento em área histórica de Salvador.
 
Dilma ainda citou como exemplo do que chamou de "dois pesos e duas medidas" o caso da delação de Otávio Azevedo, ex-presidente da construtora Andrade Gutierrez, no âmbito da Operação Lava Jato. Inicialmente, Azevedo declarou que uma doação de R$ 1 milhão havia sido feita ao PT, na campanha eleitoral de 2014, como parte de um acerto de propina no governo Dilma. Depois, a defesa de Dilma divulgou que a doação foi feita em cheque nominal a Michel Temer, então vice na chapa presidencial. O atual presidente nega qualquer irregularidade na doação.
 
"Aí o delator disse: 'Ops, me enganei'", disse a ex-presidente. "Por isso que digo: quando não tem crime, se inventa crime. Isso é típico do Estado de exceção."
       
Ao comentar o impeachment que a tirou do poder e levou Michel Temer à presidência, Dilma defendeu a realização de eleições diretas e falou em um "golpe dentro do golpe".
 
"A hora que virar o ano, no dia 1º de Janeiro de 2017, a Constituição prevê eleição indireta. É isso que se chama golpe dentro do golpe", disse Dilma, referindo-se ao fato de que, caso Temer seja deposto ou renuncie ainda neste ano, eleições diretas, por voto popular, serão convocadas. Em contrapartida, se o presidente sair em 2017 ou 2018, seu sucessor será escolhido indiretamente, pelo Congresso.
 
Dilma não quis dar entrevista aos jornalistas presentes. À imprensa, disse apenas que vai se encontrar com Lula esta quinta, sem dar mais detalhes do encontro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos