Associação de procuradores defende Janot e diz que postura de Mendes é "deplorável"

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

  • Pedro Ladeira/Folhapress

    22.mar.2017 - Ministro Gilmar Mendes (e) e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, participam de sessão no STF

    22.mar.2017 - Ministro Gilmar Mendes (e) e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, participam de sessão no STF

A ANPR (Associação Nacional de Procuradores da República) classificou como "descabidas" as críticas do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e afirmou que as declarações de Mendes não demonstram "cuidado com o interesse público".

A associação divulgou uma nota pública nesta segunda-feira (7) para rebater as críticas de Mendes a Janot, feitas numa entrevista mais cedo à Rádio Gaúcha.

"O furor mal contido nas declarações de Gilmar Mendes revela objetivos e opiniões pessoais (além de descabidas), e não cuidado com o interesse público", diz nota da ANPR.

Gilmar Mendes afirmou que o procurador-geral da República Rodrigo Janot é o "mais desqualificado" a ocupar o cargo na história da Procuradoria.

"Quanto a Janot, eu o considero o procurador-geral mais desqualificado que já passou pela história da Procuradoria", afirmou o ministro. Ao ser perguntado pelo entrevistador sobre as razões da afirmação, Mendes respondeu que Janot "não tem preparo jurídico nem emocional para dirigir um órgão dessa importância", disse o ministro.

Na nota, a ANPR afirma que Mendes assume posições "muito próximas da política partidária", o que seria "deplorável" para um magistrado.

"Em primeiro lugar, e desde logo, é deplorável que um magistrado, membro da mais alta Corte do país, esqueça reiteradamente de sua posição para tomar posições políticas (muito próximas da política partidária) e ignore o respeito que tem de existir entre as instituições, para atacar em termos pessoais o chefe do Ministério Público Federal. Não é o comportamento digno que se esperaria de uma autoridade da República", diz o texto da ANPR.

A afirmação de Gilmar Mendes à Rádio Gaúcha foi feita num momento da entrevista em que o ministro criticava a atuação da Procuradoria nos acordos de delação premiada.

Segundo Gilmar Mendes, os acordos de delação premiada firmados pela Procuradoria não têm seguido estritamente o que diz a legislação sobre o assunto.

O ministro também afirmou que o acordo da JBS, que levou a denúncias por corrupção contra o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG), deverá ser revisto pelo Supremo.

"Tenho absoluta certeza que o será", disse Mendes.

"Como agora a Polícia Federal acaba de pedir uma reavaliação do acordo de Sérgio Machado, que é um desses casos escandalosos de acordo, certamente vai ser suscitado em algum processo e certamente será reavaliado [o acordo da JBS]", afirmou o ministro. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos