PUBLICIDADE
Topo

Política

CPMI da JBS aprova quebra do sigilo telefônico de ex-braço direito de Janot

O ex-procurador Marcelo Miller - Mauro Pimentel/Folhapress
O ex-procurador Marcelo Miller Imagem: Mauro Pimentel/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

26/09/2017 16h44

A CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) da JBS aprovou nesta terça-feira (26) a quebra dos sigilos telefônico, bancário e eletrônico (e-mails) do ex-procurador da República Marcelo Miller, apontado como braço-direito do ex-procurador-Geral da República Rodrigo Janot.

Ele é suspeito de ter atuado para a empresa enquanto ainda ocupava a função pública, auxiliando os empresários Joesley e Wesley Batista, sócios da JBS, no acordo de delação suspenso pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

Ao todo, 15 requerimentos foram aprovados em bloco. Além da quebra dos sigilos, foram requeridos aos órgãos competentes dados financeiros e operacionais das empresas do grupo J&F, dono da JBS.

Relacionado a Joesley e ao delator Ricardo Saud, a CPMI requereu todos os dados telefônicos, com o registro e a duração de todas as ligações telefônicas originadas e recebidas, a partir de janeiro de 2015.

Já os depoimentos marcados para esta terça e quarta-feiras (27) na comissão foram remarcados para a próxima semana, nos dias 3 e 4 de outubro. Para o dia 3, às 9h, foram agendadas as oitivas do procurador da República Angelo Goulart Villela e do advogado do grupo JBS Willer Tomaz de Souza.

Já para o dia 4, também às 9h, estão previstos os depoimentos do ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) Luciano Coutinho e de Márcio Lobo, advogado da associação de acionistas minoritários da JBS.

Segundo o presidente da CPMI, senador Ataídes Oliveira (PSDB), todos justificaram as ausências na comissão alegando compromissos anteriores já assumidos, entre eles audiências judiciais.

Angelo Goulart Villela foi convocado a depor na CPMI por ter sido acusado de vender informações aos donos da JBS em troca de suborno, o que levou à sua prisão, em 18 de maio de 2017, durante a Operação Patmos, deflagrada pela Polícia Federal.

Já o advogado Willer Tomaz de Souza foi denunciado por Joesley Batista, durante colaboração premiada, como cooptador do procurador Angelo Goulart para agir como infiltrado na força-tarefa da Operação Greenfield - que investigou desvios dos fundos de pensão - em troca de recebimento de suborno com origem na empresa JBS.

Política