STF não precisa de aval do Congresso para afastar parlamentar, diz Fachin em voto

Gustavo Maia e Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

Relator da ação que questiona medidas restritivas (cautelares) aplicadas contra parlamentares pelo STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Edson Fachin defendeu em seu voto que essas decisões judiciais --como o afastamento do mandato-- não devem ser submetidas ao aval da Câmara e do Senado. O julgamento ocorre nesta quarta-feira (11).

Para Fachin, as medidas cautelares são diferentes dos casos de prisão em flagrante, quando a Constituição determina que a Casa legislativa do parlamentar precisa ser consultada.

Para o ministro, a lei não confere "nem de longe" ao Congresso o poder de revisar decisões técnicas e jurisdicionais sobre medidas cautelares penais do Judiciário, o que implicaria em "ampliar a imunidade para além dos limites" da Constituição.

[Congresso revisar uma decisão do STF] É uma ofensa ao postulado republicano e uma ofensa à independência do Poder Judiciário

Edson Fachin, ministro do STF

A Corte julga nesta quarta-feira a Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) protocolada em maio do ano passado --dias depois de o Supremo afastar o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) mandato e, consequentemente, da Presidência da Câmara-- por três partidos que apoiavam o peemedebista. Os demais ministros do STF ainda precisam votar.

O julgamento da Adin foi a solução encontrada para diminuir a temperatura da crise aberta entre o STF e o Senado depois que a 1ª Turma do Supremo afastou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do exercício do mandato e determinou o seu recolhimento noturno, há duas semanas.

Pedro Ladeira/Folhapress
Congresso revisar uma decisão do STF é uma ofensa, disse Fachin

Na ação, PP, PSC e Solidariedade pediram que o eventual afastamento de parlamentares por decisão judicial seja submetido ao Congresso Nacional em 24 horas, a quem caberia confirmar ou revogar a medida. Eles pleitearam ainda que a regra se estenda para o caso de eventuais prisões preventivas decretadas contra deputados e senadores.

Fachin destacou que há uma diferença "marcante" entre a decretação da perda definitiva do mandato, que só pode ser feita pelo Legislativo, e a suspensão temporária do parlamentar.

Veja também

No entendimento do ministro, os poderes conferidos ao Congresso para sustar processos penais não abarcam as medidas cautelares porque elas também são meios utilizados na fase de investigação e da garantia e ordem pública, como para impedir o risco de "reiteração delitiva", ou seja, que ele continue praticando o crime do qual é acusado.

O ministro ressaltou ainda que, mesmo preso, o parlamentar tem o direito à defesa resguardado e a julgamento do STF, e que, portanto, nenhum direito estaria sendo alterado.

Sobre o caso de Cunha, Fachin lembrou que a decisão do STF foi unânime. O caso do ex-presidente da Câmara, segundo o ministro, foi uma "situação de franca excepcionalidade".

Durante sua manifestação, Fachin citou voto da presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, durante o julgamento de Cunha. Na ocasião, ela afirmou que o STF não estava apenas defendendo e guardando a Constituição.

"[O Supremo] defende e guarda a própria Câmara dos Deputados para resguardar todos os princípios e regras que têm de ser aplicados, uma vez que a imunidade referente ao cargo e àqueles que o detém não pode ser confundido em nenhum momento com impunidade ou possibilidade de vir a ser", leu o ministro.

Ser ou não ser Supremo? Caso Aécio desafia supremacia do STF

Caso Aécio causou atrito entre Senado e Supremo

Depois que a ação julgada nesta quarta-feira foi pautada para o plenário do Supremo, o Senado, que havia marcado uma votação para analisar a validade das medidas contra Aécio, decidiu evitar o confronto direto com o Judiciário e adiar a votação para o próximo dia 17.

Está é a primeira vez que o tribunal discute se dispositivos do CPP (Código de Processo Penal) como medidas alternativas à prisão podem ser aplicados contra membros do Poder Legislativo.

Quando Aécio foi afastado de suas atividades, no dia 26 de setembro, senadores reagiram à decisão com o argumento de que a medida cautelar imposta ao tucano não está prevista na Constituição.

De acordo com o artigo 53 da Carta Magna, os membros do Congresso Nacional não podem ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável.

Três dos cinco ministros da 1ª Turma que votaram a favor das medidas contra Aécio, no entanto, entenderam que cabia aplicar medidas restritivas de direito previstas pelo artigo 319 do CPP, como o recolhimento domiciliar e suspensão do exercício de função pública.

Em dezembro do ano passado, a PGR (Procuradoria-Geral da República) se posicionou contra a Adin, defendendo que submeter medidas cautelares do sistema processual penal ao crivo da Casa legislativa "fragilizaria indevidamente a persecução criminal".

"Importaria, ao fim e ao cabo, ampliação indevida do alcance das imunidades parlamentares, com manejo de ação de controle concentrado de constitucionalidade para instituir procedimento absolutamente novo, não previsto pelo constituinte de 1988", escreveu o então procurador-geral, Rodrigo Janot, em parecer. Hoje a PGR é representada pela nova procuradora-geral, Raquel Dodge.

Partidos e Congresso defendem prisão só em flagrante

Por meio do advogado do PP, Aristides Junqueira, os partidos que moveram a ação defenderam nesta quarta-feira no STF que a aplicação do artigo 319 do CPP é possível desde que feita em substituição à única prisão possível ao parlamentar de acordo com a Constituição, a prisão em flagrante.

"Não existindo prisão em flagrante nem havendo possibilidade, portanto, de substituí-la por uma prisão cautelar, não é possível a aplicação do artigo 319. Isso pode gerar impunidade e peca contra o princípio da isonomia", afirmou.

Ele argumentou ainda que o parlamentar está no Congresso em nome do povo por meio do mandato popular. "Me parece que, em uma democracia, a interpretação tem que ser que este mandato tem de ser preservado sempre e permitindo seu exercício não se podendo afastá-lo como se a função dele ou a profissão dele fosse a do comum dos mortais", declarou.

Em nome do Senado, o advogado Hugo Souto Kalil afirmou que nenhum Poder é maior do que o outro e criticou o que classificou de saídas fáceis. Para ele, com a medida aplicada pela 1ª Turma do STF, a Constituição foi lida a partir do CPP, e não o contrário. "É uma hermenêutica criativa que não tem fundamento na lei", disse Kalil.

O deputado federal Evandro Gussi (PV-SP) e corregedor da Câmara foi ao plenário do STF defender o posicionamento da Casa. Ele ponderou que "a imunidade formal dos parlamentares" tem caído em descrença e alertou que, "se estamos a demolir tal instituto", é preciso saber quais os efeitos dessa atitude.

A advogada-geral da União, Grace Mendonça, representante do presidente Michel Temer (PMDB), foi na mesma linha. "A regra concebida pelo legislador é a regra da não prisão. Em caráter excepcional, é possível sim, mas em numa situação muito específica [prisão em flagrante]", sustentou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos