Topo

Dilma e site de esquerda citado na Lava Jato acusam Netflix e Padilha de deturparem fatos em série

Do UOL, em São Paulo

25/03/2018 16h24Atualizada em 25/03/2018 18h06

Apelidada desde seu anúncio como "a série da Lava Jato" e disponível desde a última sexta-feira (23) na Netflix, a série “O Mecanismo” está sendo alvo de críticas por parte do site Brasil 247, que em várias postagens ao longo dos últimos dias a classificou como “criminosa”, “coleção de preconceitos e ‘fake news’", “cujo conteúdo reflete preconceitos e manipulações sobre a história recente do Brasil”.

O dono e administrador do Brasil 247, Leonardo Attuch, já foi convocado pela Lava Jato a prestar depoimento, e o site foi acusado por um delator de ter recebido propina para apoiar o PT nas eleições de 2014 (leia mais abaixo).

Neste domingo, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também divulgou nota criticando a Netflix e, principalmente, o diretor José Padilha, que assina a série. Ela disse que, apesar de "O Mecanismo" se dizer “baseada em fatos reais”, o cineasta distorce a realidade, propaga mentiras e pratica o "assassinato de reputações".

Leia também:

A série O Mecanismo, com direção de Padilha e roteiro de Elena Soares, é inspirada no livro Lava Jato - O Juiz Sergio Moro e Os Bastidores da Operação Que Abalou O Brasil. Distribuída em oito episódios, ela faz referência a fatos e personagens investigados na operação, mas usa nomes fictícios para pessoas, empresas e até corporações.

A reportagem do UOL entrou em contato com a Netflix Brasil para repercutir as críticas à série e aguarda um posicionamento.

Cobrança de desculpas

O Brasil 247 diz que a série “lançada pela Netflix na antevéspera do que seria a prisão do ex-presidente Lula” é criminosa e que o serviço de stream deve um pedido de desculpas ao Brasil. O site cita ainda um movimento de internautas que estariam cancelando a assinatura na Netflix por causa da série, destacando uma postagem do crítico de cinema Pablo Villaça.

Em um vídeo no canal da TV 247 no Youtube, o dono e administrador do Brasil 247, Leonardo Attuch, afirma que a série é “mentira do começo ao fim, só preconceito e esculhambação com o Brasil”. “Essa série pode ser classificada quase como criminosa [...], você não pode falar que isso é baseado ou inspirado em fatos reais. Isso é uma coisa absurda. Acho inclusive que a Dilma devia tomar providências”, diz.

O colunista do site Leonardo Stoppa diz que essa é uma estratégia que “começou na Segunda Guerra Mundial com os nazistas: o uso do cinema para fazer campanha política”. “O que eu fico impressionado é que em uma realidade, em um ano eleitoral, a gente deixa a Netflix fazer uma campanha eleitoral”, disse.

"Mentirosa e dissimulada"

A ex-presidente Dilma Rousseff também se manifestou sobre a série da Netflix, dizendo em nota que ela é “mentirosa e dissimulada” e que o diretor José Padilha “inventa fatos” e se tornou um “criador de notícias falsas”. 

Dilma diz ainda que o cineasta “tem o desplante” de atribuir as palavras do senador Romero Jucá (PMDB-RR) sobre “estancar a sangria” ao personagem associado ao ex-presidente Lula. “Jucá confessava ali o desejo de ‘um grande acordo nacional’. O estarrecedor é que o cineasta atribui tais declarações ao personagem que encarna o presidente Lula”, escreve.

A ex-presidente chama de “desonestidade intelectual” por parte de Padilha e compara a narrativa a outros fatos da história mundial. “É como se recriassem no cinema os últimos momentos da tragédia de John Kennedy, colocando o assassino, Lee Harvey Oswald, acusando a vítima. Ou Winston Churchill acertando com Adolf Hitler uma aliança para atacar os Estados Unidos. Ou Getúlio Vargas muito amigo de Carlos Lacerda, apoiando o golpe em 1954”

A petista finaliza dizendo reiterar o respeito pela liberdade de expressão e manifestação artística, mas exigindo que a série se assuma como uma obra de ficção. “É forçoso reconhecer que se trata de ficção. Caso contrário, o que se está fazendo não está baseado em fatos reais, mas em distorções reais, em 'fake news' inventadas”, diz

Relembre frases de Jucá e Machado sobre "estancar a sangria" e "grande acordo nacional"

redetv

Citação na Lava Jato

Em 2015, Attuch, administrador do Brasil 247, foi acusado em delação premiada pelo lobista Milton Pascowitch, responsável segundo as denúncias por ter aproximado a Engevix do PT, de ter recebido R$ 120 mil a mando do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Pascowitch disse ainda que o dinheiro foi recebido sem que houvesse qualquer prestação de serviço para dar legalidade ao “apoio” do PT ao site.

Os pagamentos teriam ocorrido entre setembro e outubro de 2014, em quatro parcelas. O período corresponde à reta final da campanha eleitoral que reelegeu Dilma Rousseff como presidente. Pascowitch disse ainda que sua consultoria Jamp Engenheiros Associados repassava a propina.

Attuch chegou a ter a prisão temporária pedida pelo MPF (Ministério Público Federal), mas o juiz federal Sergio Moro indeferiu o pedido. O juiz argumentou à época que seria preciso aprofundar as investigações contra o dono do Brasil 247 “apesar das provas”.

Na época, a editora de Attuch divulgou nota afirmando que foi contratada pela Jamp para produzir "conteúdo sobre o setor de engenharia". "Os serviços foram efetivamente prestados, as notas fiscais foram emitidas e os impostos recolhidos como em qualquer transação comercial legal e legítima", diz a nota.

Em 2016, ele foi chamado para depor no âmbito da operação "Custo Brasil", um desmembramento da operação Lava Jato que investiga desvios no ministério do Planejamento, comandado por Paulo Bernardo de 2005 a 2011.