PUBLICIDADE
Topo

Política

Defesa rebate Serraglio e diz que Aécio "jamais" interferiu na PF

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) em seu gabinete no Senado Federal - Pedro Ladeira/Folhapress
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) em seu gabinete no Senado Federal Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Do UOL, em Brasília

20/04/2018 15h06

Após o ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio (PP-PR) afirmar, em entrevista ao jornal O Globo, que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teria pressionado para conseguir trocar delegados da Polícia Federal à frente de inquéritos contra ele, a defesa do tucano afirmou que o senador “jamais tentou interferir” nas investigações contra ele.

Serraglio, que é deputado federal, afirmou a O Globo que, quando este era ministro da Justiça, Aécio teria lhe pressionado para conseguir a nomeação de delegado de sua preferência para tocar inquéritos contra ele.

O advogado do tucano, Alberto Zacharias Toron, negou a afirmação do ex-ministro e disse, na nota, que no diálogo Aécio apenas demonstrou seu “inconformismo” com abertura de investigações sem provas.

“Todas as conversas que ele teve sobre o tema foram no sentido de mostrar seu inconformismo com inquéritos abertos sem qualquer base fática, em especial, com a demora em serem concluídos, levando a um inevitável desgaste”, disse Toron.

“A defesa do senador reafirma portanto, não ter havido nenhuma atitude imprópria de sua parte e lamenta que isso possa ter sido entendido de forma diversa”, afirma o advogado, na nota.

A suposta tentativa de trocar delegados responsáveis por investigações foi um dos motivos aceitos pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para determinar a abertura de ação penal contra Aécio pelo crime de obstrução de Justiça.

Nesse processo o senador também se tornou réu por corrupção, sob a suspeita de ter recebido em propina R$ 2 milhões do empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS.

A defesa de Aécio afirma que o valor se refere a um empréstimo feito legalmente. O repasse foi feito em dinheiro, em quatro parcelas entregues a um primo de Aécio no escritório da JBS em São Paulo.

Serraglio também disse ter sido indicado como testemunha e afirmou que irá contar sua versão dos fatos quando prestar depoimento.

Política