"Quem nunca deu um tapa no bumbum do filho e se arrependeu?", diz Bolsonaro sobre Geisel

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

  • Pedro Ladeira/Folhapress

    Bolsonaro durante cerimônia do Dia do Exército, em 2017

    Bolsonaro durante cerimônia do Dia do Exército, em 2017

Pré-candidato ao Palácio do Planalto, o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) ironizou nesta sexta-feira (11), em Belo Horizonte, o relatório da CIA (Central Intelligence Agency, na sigla em inglês), divulgado ontem, relatando que o então presidente da República, general Ernesto Geisel (1907-1996), mandou matar opositores do regime militar durante seu governo, entre 1974 e 1979.

"Quem nunca deu um tapa no bumbum do filho e, depois, se arrependeu?", disse o pré-candidato em entrevista à Rádio Super Notícia, da capital mineira.

"O que pode ter acontecido com este agente da CIA? Quantas vezes você falou num canto ali que tem que matar mesmo, tem que bater, tem que dar canelada? Ele (o diretor da CIA, que fez o relatório) deve ter ouvido uma conversa como esta, fez um relatório e mandou. Agora, cadê os 104 mortos?", afirmou Bolsonaro.

Capitão reformado do Exército, o deputado relacionou a divulgação da informação à sua campanha, dando a entender que a denúncia teria sido feita para atingir à sua pré-candidatura às eleições de outubro.

"Cortaram na carne. Um capitão está para chegar lá. É o momento. Foi o memorando de um agente, que a imprensa não divulgou. É um historiador que diz que leu isso e não mostrou."

Bolsonaro ainda citou o jornal O Globo, do Rio de Janeiro, durante sua entrevista à rádio Super Notícia, para criticar a imprensa.

"No jornal O Globo de hoje (11), eles falam que seis agentes da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) teriam sido executados em Pernambuco."

"Por que O Globo não falou que a mesma VPR, em 1970, que tinha como líderes Carlos Lamarca e Dilma Rousseff, executaram em cativeiro nas matas do Vale do Ribeira o tenente Alberto Mendes Junior, de 23 anos de idade, da Força Pública?".

"Era o espírito daquela época. Quando pegava alguém, você arrebentava. Você vai no mini-manual de guerrilha do Marighella, que é ídolo deles lá...", afirmou.

Autorização para executar opositores

O memorando da CIA foi revelado nesta quinta-feira (10) pelo pesquisador da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Matias Spektor. De acordo com o estudioso, documento de 11 de abril de 1974, elaborado pelo então diretor da CIA, William Egan Colby, e endereçado ao secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger, revelou que Geisel sabia e autorizou execução de opositores durante seu governo. 

Em nota divulgada também nesta quinta-feira (11), o Exército disse que os documentos relativos à atuação dos órgãos citados no memorando não existem mais. Assim, a corporação não poderia confirmar a veracidade dos fatos descritos pela CIA.

"O Centro de Comunicação Social do Exército informa que os documentos sigilosos, relativos ao período em questão e que eventualmente pudessem comprovar a veracidade dos fatos narrados, foram destruídos, de acordo com as normas existentes à época — Regulamento da Salvaguarda de Assuntos Sigilosos (RSAS)", informou a nota do Exército.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos