Topo

Após prometer 15, Bolsonaro diz que número de ministérios não "chega a 20"

Wilson Dias/Agência Brasil
O futuro ministro da Infraestrutura, Tarcisio Gomes de Freitas, o senador eleito Flavio Bolsonaro e o presidente eleito Jair Bolsonaro Imagem: Wilson Dias/Agência Brasil

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

27/11/2018 19h22

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que o número total de ministérios em seu governo não deverá ser superior a 20, mas evitou definir um número em entrevista nesta terça-feira (27).

Segundo Bolsonaro, a estrutura do novo governo deverá ser apresentada na quarta-feira (28) pelo futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

"Não vai chegar a 20 não, tá? 20 [ministérios] no máximo ali", disse Bolsonaro, ao ser questionado por jornalistas.

A ideia inicial anunciada por Bolsonaro ainda durante a campanha era ter 15 ministérios. Hoje, o governo Michel Temer conta 29 ministros, entre chefes de pastas e outros cargos com status ministerial, como os responsáveis pela AGU (Advocacia-Geral da União) e pelo Banco Central.

Segundo Bolsonaro, não será possível atingir o número de 15 ministérios pois foi preciso manter algumas pastas para preservar a qualidade da gestão, além de órgãos que por lei deverão manter o status de ministério.

"Porque a gente vai vendo, por uma governabilidade até, nós não podemos sobrecarregar demais uma pessoa num ministério, então refizemos alguma coisa e, no meu entender, [teremos] metade do que temos atualmente com toda a certeza", disse Bolsonaro, talvez se referindo ao número de ministérios em governos anteriores, que já chegou a ser de 39 pastas no governo da presidente Dilma Rousseff (PT), por exemplo.

 Segundo Bolsonaro, a ideia é manter os responsáveis pela AGU e pelo Banco Central com status de ministro.

"[Foi] onde nós nos perdemos um pouquinho, queríamos 15 ministérios, e alguns por questão de funcionalidade, nós tivemos que manter o status de ministério", disse.

O chefe do Banco Central deverá manter o status de ministro até que a independência da autoridade monetária seja aprovada pelo Congresso Nacional.

Toma lá, dá cá

Com a indicação de nomes de fora da política partidária para alguns dos ministérios, o pesselista disse pretender por fim ao modelo de trocar cargos no governo por votos no Congresso.

"O modelo que vigora ainda, de ministérios por votos, não deu certo, mergulhou o Brasil numa ineficiência e mergulhou numa corrupção, os parlamentares mesmo não querem mais isso, porque alguns foram levados para o olho do furacão no vácuo, não queriam estar lá", disse.

"E grande parte deles, todos com quem temos conversado, acham que o modelo que temos adotado não é o que pode dar certo, é o que tem que dar certo", afirmou Bolsonaro.

Novos indicados

Bolsonaro disse esperar confirmar nesta quarta a indicação do futuro ministro do Meio Ambiente. Ele disse que tem conversado com duas pessoas e que o cargo não deverá ser ocupado por um militar, como em outros postos importantes do futuro governo.

"Meio ambiente, apesar de eu ser verde, não será [um] militar", disse, em tom descontraído.

A pasta foi alvo de polêmica após a repercussão negativa da intenção de fundir suas atribuições ao Ministério da Agricultura, ponto do qual o Bolsonaro recuou.

O futuro presidente também confirmou que deverá ser criado um ministério para reunir atribuições ligadas à área social, mas evitou responder se a pasta se chamaria Ministério da Cidadania, conforme perguntado por um jornalista.

"Vai ter um ministério que vai envolver tudo isso aí: mulher, igualdade racial", disse.

Bolsonaro também evitou confirmar qual será a atribuição e o status do Ministério do Trabalho no futuro governo.

"O [ministério do] Trabalho ninguém vai mexer na legislação trabalhista, todos os direitos estão garantidos, se vai ser ministério ou não é outra história", afirmou.

Tarcísio: ministério deverá ter atribuições dos Transportes

UOL Notícias