Topo

Renan supera guerra interna e será candidato do MDB à Presidência no Senado

O  senador Renan Calheiros (PMDB-AL)  - DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) Imagem: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

31/01/2019 20h19Atualizada em 31/01/2019 21h57

O senador Renan Calheiros (AL) venceu a guerra interna contra Simone Tebet (MS) e será o candidato do MDB à Presidência do Senado na eleição desta sexta-feira (1º). Reeleito no ano passado para seu quarto mandato como senador, ele já foi presidente do Congresso quatro vezes.

O veterano parlamentar de 63 anos foi escolhido pela maioria da bancada da sigla depois de uma reunião de mais de três horas, em Brasília, nesta quinta-feira (31). Foram sete votos favoráveis a Renan, e cinco a Simone.

Na reunião desta quinta, a bancada do MDB também decidiu que Eduardo Braga (AM) será o novo líder do partido no Senado. Ele iniciará nesta sexta seu segundo mandato na Casa.

Ao deixar a reunião, Renan falou poucas palavras. Abordado por jornalistas, não quis atribuir a vitória ao fato de ser veterano na Casa e no MDB. "Política é tão complexa que a experiência só não basta."

O senador teve que travar uma disputa interna para viabilizar a sua candidatura, embora tenha negado tal pretensão em entrevistas e manifestações públicas. Simone e seus apoiadores argumentavam que o veterano representaria a "velha política" e que, por isso, sua imagem estaria desgastada.

Na última terça (29), o cacique emedebista afirmou que quem tomará posse nesta sexta será um "novo Renan", "renovado pelas urnas" e com ideias opostas às que marcaram a sua carreira no Parlamento. "O velho Renan era estatizante, o novo Renan é liberal", brincou.

Questionado por jornalistas se o "novo Renan" seria mais capaz de aglutinar apoio na corrida pela Presidência do Senado, o senador retrucou: "Não subestime o velho, mas o novo vem aí".

Diferentemente de eleições anteriores, o MDB --partido de maior bancada e que tradicionalmente ocupa a chefia do Congresso-- deve protagonizar uma disputa acirrada pelo comando da Casa. Principalmente se a votação for aberta, como querem os parlamentares concorrentes. Isso porque, na visão deles, retirar o sigilo do voto faria com que alguns ficassem constrangidos de escolher Renan.

A definição sobre voto aberto ou secreto só acontecerá amanhã no plenário. O Regimento prevê o sigilo, mas os senadores que se opõem a Renan dizem acreditar que há brecha para deliberar sobre o assunto.

Denúncia de negociação com a JBS

Antes da reunião, Renan negou ter tido conversas incriminatórias com o empresário e dono do grupo JBS, Joesley Batista, conforme mostram interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal e reveladas em reportagem do jornal Folha de S.Paulo.

"Não há nenhuma gravação minha em nenhum lugar que me incrimine ou seja desfavorável ao interesse do Brasil", declarou.

Renan disse ainda que "as pessoas tensionam porque não o conhecem" e que "sempre teve uma participação na formatação do país do ponto de vista institucional". "Nunca cometi mal feito", disse o parlamentar.

As gravações obtidas pela reportagem da Folha revelam conversa entre Renan e Joesley em que o senador discute com o empresário uma nomeação para o Ministério da Agricultura, pasta de alto interesse para os negócios da JBS. Os áudios são de 2014.

Em 2017, Joesley, seu irmão, Wesley, e outros cinco executivos afirmaram ter pagado milhões a deputados e senadores em eleições em troca de vantagens para a JBS. Renan consta entre os delatados.

Senador mais velho da bancada e líder temporário do partido no Senado, José Maranhão (MDB-PB) afirmou considerar que os áudios das conversas entre Renan e Joesley não comprometem a candidatura do alagoano.

"A divulgação desses áudios é uma coisa para a própria opinião pública fazer análise, julgamento etc. Aos parlamentares da bancada cumpre fazer a escolha. E cada um escolhe de acordo com a sua consciência. A democracia não tem processo mais eficiente e agregador do que o processo da escolha."

Renan Calheiros já foi alvo de inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal) e teve seu nome citado em delações da Operação Lava Jato. Renan nega ter cometido qualquer irregularidade e, em setembro do ano passado, foi absolvido pelos ministros da Corte em uma ação na qual era réu por desvio de dinheiro público.

Simone descarta candidatura 'avulsa'

Após a reunião desta quinta-feira, Simone Tebet afirmou que não pretende lançar uma candidatura avulsa e, dessa forma, concorrer com Renan na eleição de amanhã. Essa possibilidade havia sido estudada durante a semana pela própria senadora, apesar de o partido ter se colocado contrário à ideia.

Simone Tebet negou candidatura avulsa ou saída do MDB - Ana Volpe/Agência Senado - 19.abr.2016
Simone Tebet negou candidatura avulsa ou saída do MDB
Imagem: Ana Volpe/Agência Senado - 19.abr.2016
"Não sou candidata avulsa, não há esse tempo mais. Havia, sim, uma discussão lá atrás, porque partidos haviam oferecido espaço para uma candidatura. Eu vou sair sozinha? Preciso de um partido que tenha cinco, seis, sete candidatos que me apoiem. Do contrário, eu não quero atrapalhar o processo", disse ela.

Simone também voltou a negar que tenha cogitado deixar o MDB em caso de derrota para Renan e negou que tenha sido vítima de traição dentro da sigla. Segundo ela, um senador --cujo nome não foi revelado-- mudou o voto na última hora e acabou sendo o fiel da balança.

"Um voto de última hora, [o senador] explicou as razões e o porquê não podia votar em mim, o que daria talvez o empate e eu não sei se isso seria bom, já que o senador Jarbas não pôde vir", disse ela, em referência ao veterano Jarbas Vasconcelos (MDB-PE), ausente na reunião.

"Essa pessoa se justificou: 'olha, o empate não é saudável e vamos desenrolar isso logo no primeiro turno'. Se votasse em mim, daria seis a seis", completou.

A parlamentar sul-matogrossense elencou alguns motivos pelos quais a bancada pode ter optado pelo rival. "Talvez a tradição, talvez o fato de todos estarem há mais tempo convivendo com Renan, talvez até a perspectiva de que Renan seja mais forte em plenário do que eu. Cada um tem a sua consciência."

Mais Política