PUBLICIDADE
Topo

Assédio, lombada, cartilha e até bananas: a 1ª live de Bolsonaro presidente

Presidente fez live acompanhado do ministro Heleno e do porta-voz Rêgo Barros - Redes sociais / Reprodução
Presidente fez live acompanhado do ministro Heleno e do porta-voz Rêgo Barros Imagem: Redes sociais / Reprodução

Marcela Leite

Do UOL, em São Paulo

08/03/2019 04h00

No início da noite de ontem, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez a sua primeira live no Facebook depois de assumir o cargo no Palácio do Planalto. Embora tenha gravado pequenos vídeos no hospital entre janeiro e fevereiro, onde esteve internado para retirar uma bolsa de colostomia, o presidente ainda não havia feito transmissões ao vivo aos moldes das que gravava na época em que ainda era candidato, tratando de diversos assuntos diretamente com seus eleitores e sem perguntas de jornalistas.

Ao lado dele, estavam o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, e o general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Ao longo de quase 21 minutos, o trio falou sobre vários temas, mas não houve qualquer menção aos casos de candidaturas-laranjas do PSL ou ao vídeo com imagens obscenas gravadas no carnaval que o presidente reproduziu em sua conta no Twitter na última terça-feira (5).

Em contrapartida, Bolsonaro e seus convidados falaram sobre uma declaração polêmica dele sobre militares e a democracia; reforma da Previdência; gastos com cartão corporativo; lombadas eletrônicas; mudança da caderneta de vacinação infantil - que, na verdade, se trata de uma cartilha para saúde de crianças e adolescentes; e até a concorrência de bananas vindas do Equador com a das produzidas no Vale do Ribeira, região paulista onde foi criado.

Sobrou ainda tempo para piada. Ao falar sobre o fim da obrigatoriedade de cursos de diversidade e prevenção ao assédio moral e sexual em edital do Banco do Brasil, o presidente, em meio a risadas, perguntou aos dois integrantes do governo se eles estão preparados para fazer a prova.

Veja abaixo alguns assuntos abordados na transmissão ao vivo.

Fala polêmica sobre Forças Armadas

O presidente iniciou a transmissão da noite dizendo que "para variar, sua fala gerou polêmica", dando a entender que foi mal interpretado. "As Forças Armadas no Brasil sempre estiveram ao lado do Brasil e da liberdade", disse o presidente. Heleno tomou a palavra e afirmou que as Forças Armadas são um "pilar da democracia e da liberdade". "Essa não é uma fala polêmica, as suas palavras foram de improviso e foram colocadas exatamente para aqueles que amam sua pátria, e que vivem diariamente a manutenção da democracia e da liberdade", disse o ministro.

"Pra variar, gerou polêmica", diz Bolsonaro; Heleno defende fala

UOL Notícias

Militares e políticos na Previdência

De acordo com o presidente, a reforma da Previdência é necessária para garantir o desenvolvimento do Brasil e vai combater privilégios e desigualdades, com parlamentares se aposentando com o teto do INSS e militares também sendo afetados pelas mudanças.

MIlitares também entrarão na reforma, respeitando suas especificidades

UOL Notícias

Gastos com cartões corporativos

O general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), usou a cerimônia de posse de 1º de janeiro para justificar o aumento de 16% nos gastos da Presidência da República com cartão corporativo nos primeiros meses de 2019. A despesa neste período foi de R$ 1,1 milhão, segundo reportagem publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Bolsonaro ainda lembrou que no mesmo período de 2018, somente o presidente da República, sem vice-presidente, usava o cartão. Em janeiro de 2019, seriam ele, seu vice - General Hamilton Mourão e o ex-presidente Michel Temer (MDB).

Despesa desse ano tinha dois presidentes e um vice, explica Bolsonaro

UOL Notícias

Fim das lombadas eletrônicas

Depois de dizer que o objetivo das lombadas eletrônicas "não é diminuir acidentes" e sim multar os motoristas, o presidente afirmou que "não haverá mais lombadas eletrônicas e as que já existem não serão renovadas".

"Não teremos nenhuma nova lombada eletrônica no Brasil"

UOL Notícias

Diversidade e assédio: questão de educação, não precisa de curso

Até um edital de concurso público para assistente técnico do Banco do Brasil foi comentado. Segundo o presidente, eram exigidos cursos de diversidade e prevenção ao assédio moral e sexual de quem fazia a prova, mas ele disse que isso não deverá acontecer mais. "Isso é questão de educação, ninguém precisa fazer curso nesse sentido. [...] Nos futuros editais, não teremos mais essa obrigatoriedade", afirmou.

Fim do curso de prevenção a assédio em concursos

UOL Notícias

Caderneta de "vacinação"

Durante a transmissão, o presidente informou que será feita uma nova caderneta de vacinação. Segundo Bolsonaro, ele exigiu a mudança após assistir ao vídeo de uma mulher mostrando figuras que "não caem bem para meninos e meninas". "Eu me sensibilizei com as críticas da senhora. Ela [a cartilha] é de 2012, da senhora Dilma Rousseff, e tem informações boas aqui sim, mas o final aqui fica complicado", disse.

De acordo com o presidente, após ligar para o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, a solução encontrada foi "fazer uma cartilha mais barata, com menos páginas, sem essas figuras e recolher as outras". A dica de Bolsonaro para os pais que se incomodarem com imagens é que tirem as últimas páginas enquanto não chegam as novas cadernetas.

Apesar de Bolsonaro falar em "vacinação" e de 2012, a caderneta a que ele se refere é de 2010, e se trata de uma cartilha de saúde do adolescente. As imagens mostradas pelo presidente são de uma página que ensina aos garotos e garotas a forma correta de usar uma camisinha masculina.

"Certas figuras que não caem bem para meninos e meninas"

UOL Notícias

Atenção redobrada para militares

Depois de elogiar o diretor-geral do Departamento Nacional de infraestrutura de Transportes (DNIT), Antônio Leite dos Santos Filho, e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas - ambos com formação militar - Bolsonaro destacou que há "muitos civis no governo". Porém, admitiu atenção especial aos militares.

"Não vale dizer que tem apenas militar aqui. Agora, obviamente, porque eu sou militar, a gente dá uma atenção redobrada aos militares, que fazem o seu trabalho com muito zelo, como muitos civis que estão no nosso governo estão fazendo", disse.

"A gente dá uma atenção redobrada aos militares"

UOL Notícias

Competitividade de bananas do Equador

O presidente também demonstrou preocupação com o valor de importação das bananas do Equador, que concorrem no CEAGESP, em São Paulo, com o produto produzido no Vale do Ribeira, no sul do estado, região onde Bolsonaro foi criado. Ele afirmou que vai rever a questão com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

"Acabe com esse fantasma da importação de banana do Equador"

UOL Notícias

Slogan de campanha

O presidente encerrou a live citando o slogan de sua campanha eleitoral: "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos", indo contra uma determinação que ele mesmo emitiu no começo do ano para a comunicação de atos do governo.

O objetivo, segundo documento da época, seria não ferir o artigo 37 da Constituição, que prevê que a administração pública deve obedecer ao princípio da impessoalidade, sem atender a interesses pessoais.

"Brasil acima de tudo e Deus acima de todos"

UOL Notícias

Política