Topo

STF permite que "doleiro dos doleiros" falte à depoimento em CPI do BNDES

Dario Messer, o
Dario Messer, o 'doleiro dos doleiros' foi preso pela PF no apartamento em que se escondia, nos Jardins, em São Paulo. Imagem: Reprodução

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

12/08/2019 17h40

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello decidiu hoje (12) que o doleiro Dario Messer tem o direito de ir ou não ao depoimento marcado para amanhã na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Preso pela Lava Jato, o "doleiro dos doleiros", como Messer é conhecido, tinha uma autorização da Justiça Federal no Rio de Janeiro para ir, sob escolta, à comissão prestar esclarecimentos em Brasília.

Na liminar (decisão temporária), o ministro decano da corte ainda determinou que seja dada ciência à comissão com urgência sobre a decisão. Situação semelhante aconteceu com o ex-ministro petista Antonio Palloci.

A defesa de Palocci, que é delator da operação Lava Jato, travou uma queda de braço com a CPI para tentar evitar o depoimento. Após duas sessões em que Palloci conseguiu - por determinação judicial - escapar da declaração, em uma terceira oportunidade foi ouvido em rígido esquema de segurança e em sessão fechada.

Messer é acusado de ser o responsável por um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que movimentou cerca de R$ 5 bilhões, entre 2011 e 2017, segundo a Polícia Federal. Em razão do volume de propina movimentado, ele ficou conhecido como o "doleiro dos doleiros" e era um dos foragidos mais procurados pela Lava Jato. Ele está preso desde 31 de julho.

O requerimento foi feito pelo presidente da comissão, Vanderlei Macris (PSDB-SP). O grupo investiga possíveis irregularidades em repasses de verbas do BNDES para empresas brasileiras e estrangeiras durante o governo petista.

Mais Política