Topo

Vazamentos da Lava Jato


Deltan diz que diálogo com grupos "nunca foi segredo", mas nega mensagens

Câmara dos Deputados
Imagem: Câmara dos Deputados

Do UOL, em São Paulo

12/08/2019 15h04

O procurador Deltan Dallagnol se defendeu hoje (12), no Twitter, depois da divulgação de novas mensagens publicadas pelo site The Intercept Brasil. O coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná afirmou que seu diálogo com movimentos sociais "nunca foi segredo". Entretanto, disse não reconhecer as conversas com o grupo Vem Pra Rua e o Instituto Mude - Chega de Corrupção, expostas hoje.

"Não reconhecemos as mensagens do Intercept. Agora, nunca foi segredo meu diálogo com entidades da sociedade civil e movimentos sociais, que têm sido essenciais para os avanços contra a corrupção nos últimos anos. Seu mérito deve ser reconhecido", escreveu. "Interagir com eles como procurador e como cidadão na pauta anticorrupção, direta ou indiretamente, é legal, legítimo e saudável".

O site revelou conversas de Dallagnol com as lideranças destes grupos no dia seguinte à morte de Teori Zavascki, então relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), em janeiro de 2017. O objetivo seria influenciar a escolha do novo relator da operação.

Em mensagem ao líder do Mude, Fabio Alex Oliveira, Deltan disse:

De início, agradeci o apoio do movimento etc. 1. Falei que não posso posicionar a FT [força-tarefa Lava Jato] publicamente, mesmo em off, quanto a Ministros que seriam bons, pq podemos queimar em vez de ajudar"

Em conversa com Anna Carolina Resende, ex-integrante da Lava Jato na PGR, Dallagnol indica que chegou a fazer o pedido para que o ministro Luís Roberto Barroso solicitasse a troca de turma do STF para que pudesse disputar a relatoria da operação no lugar de Teori.

Ele ficou alijado de todo processo. Ninguém consultou ele em nenhum momento. Há poréns na visão dele em ir, mas insisti com um pedido final. É possível, mas improvável."

Em seguida, pediu para que Resende não comentasse com ninguém sobre a conversa.

Pressão sobre o STF

Dallagnol também conversou com a procuradora Thaméa Danelon, integrante da Lava Jato em São Paulo, que seria necessário pressionar o ministro Alexandre de Moares, recém escolhido para o STF, para que ele mudasse de opinião com relação à prisão em segunda instância.

O procurador escreveu:

Temos que reunir infos de que no passado apoiava a execução após julgamento de SEGUNDO grau e passar pros movimentos baterem nisso muito",

A procuradora respondeu:

Ok. Eu posso passar para os movimento. Para o Vem pra Rua e Nas Ruas"

Em outro diálogo, Dallagnol pediu para a procuradora estimular que os grupos divulgassem em suas redes o apoio ao pacote de alterações legislativas 10 medidas contra a corrupção:

Se Vc topar, vou te pedir pra ser laranja em outra coisa que estou articulando kkkk. Um abaixo assinado da população, mas isso tb nao pode sair de nós? o Observatório vai fazer. Mas não comenta com ng, mesmo depois. Tenho que ficar na sombra e aderir lá pelo segundo dia. No primeiro, ia pedir pra Vc divulgar nos grupos. Daí o pessoal automaticamente vai postar etc"

O pacote de medidas foi posteriormente aprovado pelo Congresso com alterações em pontos que foram considerados autoritários.

Outro lado

Em resposta ao Intercept, a assessoria de imprensa do Ministério Público Federal do Paraná informou que "é lícito aos procuradores da República interagir com entidades e movimentos da sociedade civil e estimular a causa de combate à corrupção". Apesar da resposta, o órgão voltou a dizer que "não reconhece as mensagens que têm sido atribuídas a seus integrantes nas últimas semanas"

Deltan usou partido para atacar Gilmar Mendes em ação no STF

UOL Notícias

Mais Vazamentos da Lava Jato