PUBLICIDADE
Topo

"Promíscuo", "você gosta": Frota e Eduardo Bolsonaro batem boca no Senado

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

30/10/2019 16h16Atualizada em 30/10/2019 17h18

Líder do PSL na Câmara, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) declarou hoje que o ex-aliado Alexandre Frota (PSDB-SP) "era menos promíscuo quando fazia filme pornô". Em seguida, ouviu: "eu sei que você gosta". A troca de declarações e baixarias ocorreu durante um acalorado debate na CPMI da Fake News, criada no Congresso para apurar a produção e disseminação de notícias falsas na internet.

Antes da reação de Eduardo, Frota havia criticado o pai do deputado, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o acusado de financiar e proteger "terroristas virtuais". Na versão do depoente, o Planalto mantém uma estrutura de "milícias digitais" com a finalidade de espalhar fake news e atacar adversários.

Eduardo chegou tarde à comissão, realizada no Senado, pediu a palavra, atacou Frota e foi embora logo na sequência.

"A presença do Alexandre Frota aqui já é um escárnio com a sociedade brasileira", disse Eduardo Bolsonaro. "Eu não vou ficar aqui ficar fazendo pergunta ou nada desse tipo porque eu tenho mais o que fazer, tenho que trabalhar ao invés de ouvir baboseiras ou ilações sem qualquer conexão com a verdade. Espero que o senhor aproveite seus tempos aqui com o pessoal de PT fazendo massagem no ego do senhor", acrescentou o filho do presidente da República.

Ainda em sua abordagem, o deputado do PSL afirmou que "as pessoas, a população em geral, têm aversão a esse tipo de conduta: a pessoa é muito seu amigo, dá tapa nas costas, aí é eleito, depois muda de lado. Eu fico impressionado. Eu fico impressionado de ver".

"Quem falou que eu mudei de lado?", questionou Alexandre Frota.

"Depois você continua as mentiras. Não tenho medo de cara feia. Para mim, você é só mais um", rebateu Eduardo.

"Para mim, você também é só mais um", respondeu Frota.

"É só mais um traíra, que traiu e apunhalou o presidente (Bolsonaro) pelas costas. O senhor era menos promíscuo quando o senhor fazia filme pornô. Hoje em dia, essa promiscuidade enoja o Brasil inteiro", declarou Eduardo Bolsonaro

"Mas você assistia muito, né?", perguntou Frota, provocando risos nos presentes.

"Não, nem um pouco", respondeu Eduardo Bolsonaro.

"Eu sei que você gosta", assegurou Frota.

Em seu posicionamento, Eduardo Bolsonaro ainda apontou a CPMI das Fake News como uma tentativa de consolidar uma narrativa contrária ao governo Bolsonaro.

"Essa CPMI não serve a outra coisa que não criar essa narrativa. O próprio proponente dessa CPMI das Fake News, deputado Alexandre Leite (DEM-SP), disse que a intenção dele era investigar outras coisas, mas uma CPMI a gente sabe como começa e não sabe como é que termina. A gente está hoje aqui, ouvindo Alexandre Frota, chamando Joice (Hasselmann, deputada PSL-SP), mais quem? Bruno Gagliasso, Caetano Veloso, pessoas que têm como única missão tentar destruir o governo Bolsonaro", disse, indo além.

"Aqui, na verdade, virou um palco político. Vou me retirar porque não vou perder meu tempo. Vai continuar falando à vontade as mentiras que ele quiser. Espero não retornar mais a esse assunto aqui. Quem sabe voltando a ser ator de filme pornô..."

"E você gosta", reforçou Frota.

"Não gosto", repetiu Eduardo.

"Gosta que eu sei", emendou Frota de novo.

Ouça o podcast Baixo Clero (https://noticias.uol.com.br/podcast/baixo-clero/), com análises políticas de blogueiros do UOL.

Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política