Topo

Eduardo Bolsonaro diz ter sido infeliz ao sugerir criação de novo AI-5

Eduardo Bolsonaro diz ter sido "infeliz" e cita arrependimento ao sugerir criação de novo AI-5 - Reprodução/SBT
Eduardo Bolsonaro diz ter sido "infeliz" e cita arrependimento ao sugerir criação de novo AI-5 Imagem: Reprodução/SBT

Do UOL, em São Paulo

01/11/2019 22h59

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse ter sido "infeliz" e citou arrependimento ao sugerir a criação de um novo AI-5 (Ato Institucional Número 5) em entrevista concedida ao canal da jornalista Leda Nagle, no YouTube.

"De maneira nenhuma eu cogitei, naquele momento, de retornar com o AI-5. Eu falava sobre o que está acontecendo no Chile e o que pode ocorrer no Brasil. No Chile, o pessoal está depredando estações de metrô, tacando fogo em prédio público, tacando fogo em ônibus, escolas tendo que parar as aulas, voos sendo alterados... E aqui no Brasil, tem gente falando que isso é democracia, que isso é protesto. Então, estava falando que nesse cenário, nesse contexto, o governo não pode simplesmente ficar olhando as coisas acontecerem. O governo tem que agir com energia. Antes da coisa acontecer, a gente tem que tomar medidas preventivas. E medidas preventivas não é [a volta do] AI-5. É abrir os olhos da população para que, se alguém impedir do trabalhador ir trabalhar... para que a polícia não permita que isso aconteça. Simplesmente isso. Talvez eu tenha sido um pouco infeliz ter citado no AI-5. Se eu pudesse voltar atrás, eu não teria falado no AI-5, porque eu dei munição para a oposição ficar me metralhando", disse ele, durante participação no "Programa do Ratinho", do SBT, hoje à noite.

Em seguida, Eduardo classificou a democracia como "charmosa" ao responder pergunta sobre o motivo que levou a não aceitar ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

A ameaça do filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de editar "um novo AI-5" se "a esquerda se radicalizar" foi feita em entrevista exibida nesta quinta. (Assista ao vídeo abaixo)

"Vai chegar um momento em que a situação vai ser igual ao final dos anos 1960 no Brasil, quando sequestravam aeronaves, executavam e sequestravam grandes autoridades, cônsules, embaixadores, execução de policiais, militares", afirmou.

A frase de Eduardo Bolsonaro sugerindo um novo AI-5 gerou indignação entre partidos e políticos brasileiros. Siglas como PT, PSB, PSOL, entre outras, se manifestaram rapidamente após a declaração do deputado federal (PSL-SP) e filho do presidente.

Decretado em 1968, durante a ditadura militar, o AI-5 fechou o Congresso Nacional, cassou mandatos, suspendeu o direito a habeas corpus para crimes políticos, entre outras medidas. O ato é considerado o início do período mais duro da ditadura.

Conspiração contra governo Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro mostrou-se também indignado com a cobertura jornalística em relação ao governo do seu pai, o presidente Jair Bolsonaro.

Questionado, Eduardo afirmou que veículos de imprensa têm feito "conspiração" para tentar derrubá-lo.

"Eu fico com a pulga atrás das orelhas, mas eu, particularmente, tenho essa convicção, sim [de conspiração contra o governo Bolsonaro]. Essas matérias da IstoÉ, da Época, ou essa daí do presidente Jair Bolsonaro e a morte da Marielle Franco... A gente não pode ser ingênuo de achar que isso daí é notícia ou um mero trabalho da imprensa. Eu acho que a todo momento têm tentado construir uma narrativa para derrubá-lo. Qualquer coisa que a gente fale, pode ser potencializada."

***

Ouça o podcast Baixo Clero com análises políticas de blogueiros do UOL.

Os podcasts do UOL estão disponíveis no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política