Topo

Após discurso de Lula, Moro rebate no Twitter: "não respondo a criminosos"

O ministro da Justiça, Sérgio Moro - Leco Viana/Estadão Conteúdo
O ministro da Justiça, Sérgio Moro Imagem: Leco Viana/Estadão Conteúdo

Igor Mello

Do UOL, no Rio

09/11/2019 16h40

Resumo da notícia

  • Após ser chamado de "canalha" por Lula durante discurso, Moro rebateu. O ministro disse: "não respondo a criminosos, presos ou soltos"
  • Lula havia dito pouco antes que poderia ter deixado o país, mas aceitou ser preso para provar que "Moro não era um juiz, era um canalha"

Após ser chamado de "canalha" pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante discurso no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na tarde de hoje, o ex-juiz Sergio Moro, ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro, usou o Twitter para rebater as críticas do petista. Moro afirmou que "algumas pessoas só merecem ser ignoradas".

No discurso, Lula disse que aceitou ser preso para provar "Moro não era juiz, era um canalha".

"Eu tomei a decisão de ir lá para a PF. Eu poderia ter ido a uma embaixada, a outro país, mas eu tomei a decisão de ir lá porque eu preciso provar que o juiz Moro não era juiz, era um canalha que estava me julgando", disparou.

Pouco depois do fim do pronunciamento de Lula, Moro usou o Twitter. Para responder. O ministro subiu o tom e chamou Lula de "criminoso":

"Aos que me pedem respostas a ofensas, esclareço: não respondo a criminosos, presos ou soltos. Algumas pessoas só merecem ser ignoradas", retrucou.

Além de Moro, Lula também disparou contra o procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. O procurador ainda não se manifestou sobre o discurso de Lula.

"Eu precisava provar que o Dallagnol não representa o Ministério Público, que é uma instituição séria. O Dallagnol montou uma quadrilha com a Lava Jato, inclusive para roubar dinheiro da Petrobras e das empreiteiras", afirmou Lula.

Política