Topo

"Escola de políticos": grupos de renovação traçam metas de olho na eleição

Alunos acompanham aula do curso do RenovaBR, com Eduardo Mufarej, fundador da escola - Divulgação
Alunos acompanham aula do curso do RenovaBR, com Eduardo Mufarej, fundador da escola Imagem: Divulgação

Wellington Ramalhoso

Do UOL, em São Paulo

17/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • RenovaBR ampliou curso e passou a ter 1.400 alunos; maioria quer se candidatar
  • Livres planeja fortalecer propostas liberais e conquistar as primeiras prefeituras
  • Acredito quer ter lideres municipais que possam chegar ao Congresso

Juliana Sales, moradora de Nova Lima (MG), e Kayo Amado, de São Vicente, no litoral paulista, têm três pontos em comum que espelham uma tentativa de renovação política no país: eles têm 28 anos, são alunos do RenovaBR, que se define como uma escola de formação de novas lideranças, e querem se tornar prefeitos de suas cidades em 2020.

Movimentos cívicos que se propõem a fazer esta renovação apostam nas eleições municipais do ano que vem para ampliar sua força. De olho na disputa, eles se articulam para aumentar a formação de líderes e as quantidades de candidatos e eleitos.

O RenovaBR, que tem o apresentador Luciano Huck entre os apoiadores, multiplicou seu número de alunos, passando de 133 no ano passado para 1.400 neste.

O Livres, movimento de liberais, pretende dobrar o número de eleitos na comparação com as eleições de 2018.

O movimento Acredito, do qual faz parte da deputada federal Tabata Amaral (SP), pretende dobrar o número de candidatos apoiados também comparando com o ano passado (veja abaixo).

Urbanista desafia veterano

Além de ser aluna do RenovaBR, Juliana Sales é líder do movimento Acredito em Minas Gerais.

No ano passado, ela também fez o curso do RenovaBR. Foi candidata a deputada estadual, recebeu mais 9 mil votos, mas não foi eleita. Nova Lima, sua cidade, tem 95 mil habitantes.

"Assumi um compromisso com as pessoas da minha cidade de que eu contribuiria para a renovação dos quadros políticos. A gente tem um prefeito que está no seu sexto mandato. É o prefeito com mais mandatos do Brasil. É um bom gestor, só que a gente pode desejar mais para a cidade", afirma, fazendo referência a Vitor Penido (DEM), 77.

Filiada ao Cidadania, Juliana assumiu recentemente postos na estrutura estadual do partido.

Ela é arquiteta e urbanista e diz querer, se eleita, fortalecer o planejamento da cidade. "A melhor contribuição do RenovaBR é o conteúdo do curso, que é saúde, educação, desenvolvimento econômico, estratégia de campanha, marketing político e 'leader training' para a gente buscar ser líderes exemplares."

Juliana Sales é arquiteta e urbanista, líder do Acredito e aluna do RenovaBR - Divulgação
Juliana Sales é arquiteta e urbanista, líder do Acredito e aluna do RenovaBR
Imagem: Divulgação

Para alunos, curso fortalece candidaturas

Kayo Amado tentará pela segunda vez ser prefeito de São Vicente, município com 366 mil habitantes. Em 2016, ele surpreendeu chegando em segundo lugar.

Agora, diz se sentir mais preparado para a disputa. Formado em gestão de políticas públicas pela USP (Universidade de São Paulo), afirma que um dos pontos principais do curso do RenovaBR é apresentar a teoria e a prática da política. "Isso te dá uma baita bagagem para conhecer o cenário que vai enfrentar."

Ele também diz que a passagem pelo Renova é vista com bom olhos pelo Podemos, seu novo partido, e elogia a oportunidade de conhecer no curso outros interessados em renovação.

"A gente estava fazendo a transformação da política na nossa cidade e de repente surge o Renova, conectando lideranças jovens de vários cantos do país. A gente começa a ver que não está sozinho."

Eleito no ano passado, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), integrante do Acredito, passou pelo curso de 2018 do Renova e diz que ele ajuda quem não está familiarizado com o ambiente da política.

"Foi uma experiência importantíssima para viabilizar a candidatura, especialmente pela formação que deu, também na parte de marketing e comunicação, que são áreas totalmente fora da vida de quem não tem militância política."

Kayo Amado é aluno do RenovaBR e trocou a Rede pelo Podemos - Divulgação
Kayo Amado é aluno do RenovaBR e trocou a Rede pelo Podemos
Imagem: Divulgação

Extremistas barrados

O curso tem uma parte presencial e outra à distância. Ele é gratuito - uma taxa de adesão é cobrada, mas o valor é devolvido ao final. Mais de 31 mil pessoas se inscreveram neste ano - contra 4 mil inscritos em 2018.

O processo para selecionar os 1.400 alunos envolveu provas de atualidades e posicionamento político e a gravação de um vídeo, entre outras atividades. Os mais bem avaliados serão chamados para um curso de aprofundamento no primeiro semestre do ano que vem.

O teste de posicionamento político procura afastar do curso os extremistas. "O extremismo para a gente são pessoas que não estão abertas ao diálogo. A questão partidária e de ser direita ou de esquerda nem faz parte da nossa avaliação. Agora se a pessoa responde de maneira a demonstrar que não está aberta ao diálogo, é um problema porque a gente é uma escola de formação que preza pela diversidade de pensamentos", afirma Rodrigo Cobra, responsável por comandar o processo de seleção.

De acordo com ele, 60% dos alunos estão filiados a partidos. Há representantes de nada menos do que 30 legendas.

O RenovaBR diz não ter metas de número de candidatos nem de alunos eleitos. Com o crescimento do curso, estas quantidades devem subir.

Em 2018, 17 egressos foram eleitos parlamentares. Nem todos os frequentadores do curso deste ano devem se candidatar, mas a maioria tem esta intenção, diz Cobra.

Ex-ministro da Cultura e ligado ao Livres, o deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ) é pré-candidato à Prefeitura do Rio - Divulgação
Ex-ministro da Cultura e ligado ao Livres, o deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ) é pré-candidato à Prefeitura do Rio
Imagem: Divulgação

Liberais de olho na eficiência dos serviços públicos

O Livres, movimento de liberais, quer fazer das eleições municipais uma vitrine para suas plataformas. Suprapartidário, o grupo reúne hoje 13 parlamentares eleitos em 2018 - um senador, seis deputados federais e seis estaduais —, além de sete vereadores.

Para o ano que vem, o objetivo é chegar ao Executivo. "Nossa meta é ter sete associados eleitos prefeitos e 20 eleitos vereadores", afirma Paulo Gontijo, presidente do movimento.

Entre os pré-candidatos ligados ao Livres destacam-se os deputados federais Marcelo Calero (RJ) e Daniel Coelho (PE), ambos do Cidadania.

Calero, que é próximo a Luciano Huck e integra o Agora!, plataforma de políticas públicas da qual o apresentador faz parte, pretende disputar a Prefeitura do Rio. Coelho, líder do partido na Câmara, quer concorrer ao comando da administração do Recife.

O movimento também montou um curso disponibilizado em sua plataforma para os associados. O grupo tem promovido debates com a intenção de criar "um projeto de políticas públicas liberais para temas municipais".

"Nos sistemas que estão mais ligados à esfera municipal, tem muito pouco histórico liberal de discussão, deliberação e criação de propostas de políticas públicas. Então isso é uma prioridade para a gente", comenta Gontijo.

Ele diz que o objetivo principal das propostas não é promover a privatização de todos os serviços municipais, como poderia se supor pelo viés liberal, mas aumentar a eficiência deles.

Lista de candidatos apoiados pelo movimento Acredito terá um terço de mulheres e um terço de negros, afirma o coordenador Samuel Emílio - Facebook
Lista de candidatos apoiados pelo movimento Acredito terá um terço de mulheres e um terço de negros, afirma o coordenador Samuel Emílio
Imagem: Facebook

Acredito quer líderes municipais rumo ao Congresso

As eleições municipais fazem parte do caminho que o Acredito pretende trilhar para atingir a meta de ter, daqui a dez anos, 60 integrantes do movimento eleitos para a Câmara dos Deputados e o Senado, o que corresponderia a 10% do Congresso.

"Todas as nossas decisões são orientadas para fortalecer a renovação política do legislativo federal. Isso implica que a gente precisa de alguma forma preparar lideranças no nível municipal para que, aos poucos, elas consigam alçar esses cargos federais", afirma Samuel Emílio, coordenador nacional do Acredito.

O movimento é formado principalmente por voluntários. Do ano passado para este, a presença do Acredito passou de 14 para 19 estados.

"Ano passado a gente apoiou 28 pessoas de 13 estados e oito partidos diferentes. A nossa expectativa é pelo menos dobrar esse número de pessoas apoiadas [em 2020]."

Os interessados em se candidatar a prefeito ou vereador terão de passar pelo crivo dos voluntários do Acredito.

"Não importa se ela [a pessoa interessada em se candidatar] se identifica como esquerda ou de direita, se ela está no partido A ou B. É importante para nós que ela respeite a igualdade de oportunidades. Ao mesmo é importante para a gente que ela respeite o nosso valor de buscar uma economia competitiva e empreendedora", explica Emílio.

Política