PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

Criador da Fundação Palmares sobre novo presidente: "Tristeza e revolta"

Logo da Fundação Palmares - Reprodução/Facebook
Logo da Fundação Palmares Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

28/11/2019 14h45

Resumo da notícia

  • "Estou sentindo um misto de tristeza e revolta", diz criador e primeiro presidente da Fundação Palmares
  • Novo chefe da instituição, Sergio Camargo, que disse não haver "racismo real" no Brasil
  • "Dizer que o racismo não existe é uma afronta à dignidade das pessoas. Onde está a comunidade negra no Brasil?", questionou Moura

O advogado Carlos Alves de Moura, criador e primeiro presidente da Fundação Palmares, disse sentir "um misto de tristeza e revolta" frente às declarações do novo chefe da instituição, Sergio Camargo, que disse não haver "racismo real" no Brasil.

"Estou sentindo um misto de tristeza e revolta. Tristeza porque não foi brincadeira criar a Fundação Palmares. Revolta em ver que o racismo continua implacável", contou Moura ao O Globo.

"Dizer que o racismo não existe é uma afronta à dignidade das pessoas. Onde está a comunidade negra no Brasil? Está no estamento superior das Forças Armadas, das igrejas? Está na tripulação dos aviões ou varrendo os aeroportos?", questionou ainda.

Moura caracterizou a nomeação de Camargo como parte de uma ação coordenada do governo de Jair Bolsonaro contra as minorias. "Estão destruindo todas as conquistas sociais dos despossuídos. É um movimento contra os povos indígenas, os negros, os trabalhadores", afirmou.

O advogado apontou que o movimento negro precisa se organizar contra essas políticas: "É preciso que nós saiamos às ruas sem violência, de mãos dadas, para dizer um basta. Isso não pode continuar".

Política