PUBLICIDADE
Topo

R$ 16 mil: Flávio diz que PM pagou seu boleto pois banco já estava fechado

Do UOL, em São Paulo

19/12/2019 18h02Atualizada em 19/12/2019 19h18

O senador Flávio Bolsonaro (sem partido) divulgou um vídeo hoje em seu canal no YouTube para rebater a operação feita pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Na declaração, o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que pediu ao policial militar e amigo Diego Sodré de Castro Ambrósio pagar um boleto no valor de quase R$ 16 mil porque achou "que o banco já estava fechado e que não tinha o aplicativo no telefone na época".

"Outra sacanagem que estão fazendo com o Diego, que é um Policial Militar amigo meu, e que, em uma única ocasião na minha vida, se eu não me engano, foi porque o banco já tinha fechado e eu não tinha o aplicativo no telefone na época. Pedi para ele pagar uma conta para mim, que era um boleto de uma parcela do apartamento que eu estava pagando. Ele pagou e depois eu reembolsei. Qual o problema nisso?", disse.

Durante o vídeo, Flávio Bolsonaro afirma que o PM é também um pequeno empresário e que comprava produtos na loja de chocolates do político no final do ano para dar a clientes.

"Aí vão cruzar as informações dos depósitos bancários e aí, como ele é um pequeno empresário, a principal renda dele não é a Polícia Militar, ele é um pequeno empresário bem-sucedido. E ele comprava produtos na minha loja no final do ano para dar de presente para seus clientes. Como ele tem uma empresa de vigilância, em Copacabana, ele, no final do ano, comprava produtos na minha loja e entregava aos seus clientes, que eram síndicos dos prédios ali em Copacabana. O que é que tem de absurdo nisso? Para de ficar criando uma narrativa para dar a entender para as pessoas que há algo ilegal nisso. Expliquei aqui em 30 segundos", afirmou.

O senador questionou o suposto vazamento de informações sigilosas e disse que nunca reclamou de ser investigado. Ele também se defendeu ao dizer que não existe nada contra ele.

"Para que expor isso na imprensa, promotores e juiz Itabaiana? Faz o devido processo legal direitinho, com nosso direito à ampla defesa, fundamenta direito suas decisões. Não tem problema nenhum. Nunca reclamei de estar sendo investigado. Muitos falam: 'quem não deve não teme', eu estou sendo investigado há dois anos e não tem nada contra mim."

Após a operação do MP, a defesa de Flávio Bolsonaro entrou ontem à noite com um habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal). O caso, que tramita sob sigilo, está sob a relatoria do ministro Gilmar Mendes.

O recurso ao STF questiona decisão anterior do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que permitia na época a continuidade de investigações contra Flávio e outros pelo esquema da rachadinha no gabinete do político quando ele era deputado estadual.

Foram cumpridos ontem 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Flávio, a seu ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e a familiares de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de seu pai.

Ouça o podcast Baixo Clero (https://noticias.uol.com.br/podcast/baixo-clero/), com análises políticas de blogueiros do UOL.

Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política