PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro cita processo inexistente para se recusar a falar com a imprensa

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

22/01/2020 10h26

Resumo da notícia

  • Bolsonaro ficou irritado com um levantamento da Fenaj divulgado na semana passada
  • O estudo aponta que 58% dos ataques a jornalistas no ano passado partiram do presidente
  • "Manda tirar o processo que eu volto a conversar!", disse o mandatário
  • Mas não existe nenhum processo movido contra ele por causa disso

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se recusou hoje a falar com a imprensa e justificou a decisão mencionando um "processo" inexistente. O mandatário ficou irritado com um levantamento da Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), divulgado na semana passada. O estudo aponta que 58% dos ataques aos profissionais de comunicação partiram dele no ano passado.

"Manda tirar o processo que eu volto a conversar!", declarou Bolsonaro ao sair do Palácio da Alvorada, na manhã de hoje. A primeira agenda do dia foi uma reunião com o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, Luiz Eduardo Ramos.

Procurada, a Fenaj informou que não é autora de processo algum contra o presidente. "Não tem nenhuma medida judicial tomada. Estamos articulando reunião com outras entidades para discutir a possibilidade de tomar essas medidas na Justiça", disse a presidente do órgão, Maria José Braga.

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa), outra entidade de classe representativa da categoria, afirmou que não há registro recente de ação judicial. O último pleito teria sido uma ação popular, protocolada em dezembro, em razão das notícias de que o Planalto faria um boicote ao jornal Folha de S.Paulo. A mesma, no entanto, não prosperou.

A Secom (Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República) confirmou no fim da manhã que Bolsonaro, de fato, errou ao falar em processo. Segundo nota da Secom, o presidente "se referiu ao relatório recente da Federação Nacional dos Jornalistas".

Durante a manhã, Bolsonaro reafirmou via Twitter que, como ele é "acusado de agredir a imprensa com entrevistas", "a solução é não dar mais entrevistas". Dessa vez, não mencionou processo algum.

Acabou a relação?

Na saída do Palácio da Alvorada, onde ele costuma atender jornalistas e cumprimentar apoiadores, Bolsonaro deu a entender que não falaria mais com a imprensa.

"Quero falar com vocês, mas a Associação Nacional de Jornalismo diz que, quando eu falo, eu agrido vocês. Como eu sou uma pessoa da paz, não vou dar entrevista. Não posso agredir vocês aí."

A suposta entidade citada por Bolsonaro ("Associação Nacional de Jornalismo") não possui representatividade em relação à categoria, diferentemente da Fenaj, da ABI e outras. A reportagem tenta localizar a Anaj (Associação Nacional dos Jornalistas), porém não há sequer telefone de contato no site do órgão.

Na esteira da repercussão da fala do presidente, um de seus filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), repetiu o equívoco do pai em mensagem postada no Twitter.

Política