PUBLICIDADE
Topo

Weintraub, ministro da Educação, volta a errar no português em tuíte

Abraham Weintraub, ministro da Educação - Divulgação
Abraham Weintraub, ministro da Educação Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

17/02/2020 11h24Atualizada em 17/02/2020 17h37

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a cometer um erro de português em um tuíte feito na manhã de hoje.

"Aonde está a pompa e a liturgia do cargo? Na poltrona 16A...", postou o ministro dentro de um avião, fazendo sinal de silêncio.

O uso da palavra "aonde" está incorreto. A junção da preposição "a" com o advérbio "onde" é usada para dar uma ideia de movimento. Nesse caso, o ministro fala de um lugar que seria fixo e deveria ter usado o termo "onde".

No início de janeiro, ao comentar um tuíte do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Weintraub escreveu "imprecionante" (o correto é impressionante"). Depois que foi avisado por internautas, ele apagou o tuíte.

Estes não foram episódios isolados. Em outros momentos, ele já escreveu "suspenção" (suspensão) e "paralização" (paralisação).

Entrega de "ônbus" "iscolares"

Hoje pela manhã, o ministro participou da cerimônia de entrega de ônibus escolares para a cidade de São Paulo, ao lado de representantes do governo do estado.

Após a cerimônia, o ministro divulgou uma mensagem cheia de erros de português em sua conta no Twitter para oficializar a entrega dos veículos.

"Oje, intregamos 120 ônibus iscolares a municípios de São Paulo. No ano paçado, mais de 1,3 mil foram entregues em todo o Brasil. O Governo Jair Bolsonaro já disponibilizou atas a estados e municípios para aquisição de mais 6200 ônbus. Espero que dessa forma a notícia chegue a todos", escreveu.

"Além disso, mais de 7 mil bicicletas serão distribuídas a alunos em alguns estados após quase uma década sem qualquer tipo de ação neste sentido. Seguimos trabaiando! Obrigado pelo apoio e carinho de vocês", completou.

A linha do tempo de Weintraub em meio à crise do Enem e do Sisu

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informou a matéria, Weintraub cometeu apenas um erro, no uso da palavra "aonde". A concordância verbal não está errada em "está a pompa e a liturgia", pois as gramáticas de língua portuguesa aceitam como válida a concordância com o núcleo mais próximo quando o verbo antecede um sujeito composto. A informação foi corrigida.

Política