PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Rodrigo Maia pede desculpas à China por acusação de Eduardo Bolsonaro

11.mar.2020 - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante coletiva na Casa - Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo
11.mar.2020 - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante coletiva na Casa Imagem: Renato Costa/Framephoto/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

19/03/2020 00h36

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu desculpas à China hoje pela acusação feita pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que escreveu uma mensagem no Twitter responsabilizando o governo chinês pela pandemia do novo coronavírus.

"Em nome da Câmara dos Deputados, peço desculpas à China e ao embaixador Yang Wanming pelas palavras irrefletidas do Deputado Eduardo Bolsonaro", escreveu Maia em seu Twitter.

"A atitude não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com os ritos da diplomacia. Em nome de meus colegas, reitero os laços de fraternidade entre nossos dois países. Torço para que, em breve, possamos sair da atual crise ainda mais fortes", afirmou o presidente da Câmara em outro post.

No final da manhã de ontem, fazendo uma analogia com o vazamento da usina nuclear soviética de Chernobyl na década de 1980, o parlamentar e filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) alegou que a China preferiu "esconder algo grave" a se expor "tendo um desgaste que salvaria inúmeras vidas"

"Quem assistiu Chernobyl vai entender o que ocorreu. Substitua a usina nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pela chinesa. Mais uma vez uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas que salvaria inúmeras vidas", escreveu Eduardo Bolsonaro.

Eduardo Bolsonaro finalizou a sua opinião, manifestada em um retuíte com a cronologia da doença e atitudes do país, dizendo que "a culpa é da China e liberdade seria a solução".

A Embaixada da China no Brasil rebateu ontem mesmo o deputado federal Eduardo Bolsonaro também pelo Twitter.

"As suas palavras são extremamente irresponsáveis e nos soam familiares. Não deixam de ser uma imitação dos seus queridos amigos. Ao voltar de Miami, contraiu, infelizmente, vírus mental, que está infectando a amizades entre os nossos povos", escreveu o perfil oficial da embaixada.

Em seguida, a embaixada ainda disse que o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) era uma pessoa "sem visão internacional, nem senso comum" e o aconselhou a não ser o porta-voz dos EUA no Brasil, "sob a pena de tropeçar feio". O perfil citou ainda o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Embaixador endossa críticas

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, também fez críticas ao deputado federal, pedindo a Eduardo que "retire suas palavras imediatamente" e peça desculpas ao povo chinês. Ele ainda afirmou que vai manifestar sua indignação junto ao Itamaraty e à Câmara dos Deputados.

Em outro tuíte em que cita o filho do presidente, Wanming também diz que as acusações de Eduardo são "um insulto maléfico contra a China e o povo chinês". "Tal atitude flagrante anti-China não condiz com o seu estatuto como deputado federal, nem a sua qualidade como uma figura pública especial", acrescenta.

Coronavírus