PUBLICIDADE
Topo

Governadores do NE refutam Bolsonaro: "seguiremos orientados pela ciência"

Carta é assinada pelos nove governadores do Nordeste - Reprodução
Carta é assinada pelos nove governadores do Nordeste Imagem: Reprodução

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

27/03/2020 19h09

Os nove governadores do Nordeste divulgaram uma nova carta hoje informando que não vão seguir a orientação do governo federal de revogar medidas de isolamento e vão "continuar orientados pela ciência e pela experiência mundial, para nortear todas as medidas" no caso da covid-19, o novo tipo do coronavírus.

Os chefes dos estados anunciaram que vão solicitar um pronunciamento oficial do CFM (Conselho Federal de Medicina), do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde e da Sociedade Brasileira de Infectologia, além do acompanhamento e orientação dos ministérios públicos Federal e estaduais.

"Manifestamos nossa profunda indignação com a postura do Governo Federal, que contraria a orientação de entidades de reconhecida respeitabilidade, como a OMS [Organização Mundial de Saúde] - que indicam o isolamento social como melhor forma de conter o avanço do Coronavírus -, e promove campanha de comunicação no sentido contrário, estimulando, inclusive, carreatas por todo o país contra a quarentena. Este tipo de iniciativa representa um verdadeiro atentado à vida", pontuam;

"Exigimos respeito por parte da Presidência da República, esperando que cessem, imediatamente, as agressões contra os governadores, assumindo-se um posicionamento institucional, com seriedade, sobre medidas preventivas. A omissão em padronizar normas nacionais e a insistência em provocar conflitos impedem a unidade em favor da saúde pública", completam.

Para eles, os parâmetros científicos vão indicar as ações preventivas e protetivas, "de intensidade gradual e estágios progressivos ou regressivos, adequando-as sempre à realidade de cada região de nossos Estados."

"Na ausência de efetiva coordenação nacional, que deveria ser assumida pelo Governo Federal, em articulação com os demais entes federativos, buscaremos avançar na integração regional e com as demais regiões, mobilizados pelo objetivo de salvar vidas e amenizar os impactos negativos sobre a economia dos estados. Acreditamos também que o Congresso Nacional tem papel decisivo no atual momento da vida brasileira", alegam.

Por fim, os governadores enfatizam que estão abertos ao diálogo. "Temos absoluta convicção de que o diálogo, o equilíbrio e a união serão sempre o melhor caminho para revertermos este quadro crítico. Seguimos firmes e vigilantes em defesa da vida das pessoas, inclusive na luta para impedir atos que possam significar riscos à saúde pública."

Em entrevista hoje, o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, classificou a campanha do governo federal de que o Brasil não "deve parar" de "irresponsável."

"Isso pode levar a um crescimento ascendente de casos, que supera a capacidade do sistema de saúde, causando muitas mortes. Situação parecida ocorreu em Milão, na Itália, quando se lançou uma campanha similar, e agora a prefeitura diz que se arrepende fortemente", diz.

Coronavírus