PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaristas veem conspiração e chamam Mandetta de "rato" e "oportunista"

Grupos de WhatsApp e redes sociais atacam ministro da Saúde após declarações de Bolsonaro - ADRIANO MACHADO
Grupos de WhatsApp e redes sociais atacam ministro da Saúde após declarações de Bolsonaro Imagem: ADRIANO MACHADO

Eduardo Militão e Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

06/04/2020 16h26Atualizada em 06/04/2020 17h04

Resumo da notícia

  • Presidente ameaçou demitir integrantes do governo que viraram 'estrelas'
  • No WhatsApp, bolsonaristas xingam e criticam Mandetta
  • Ministro procura tem evitado conflito e dito que não abandonará posto por conta própria

Grupos bolsonaristas em aplicativos de mensagens de celular passaram a atacar o ministro da Saúde, o médico e ex-deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM), por causa de suas posições a favor do isolamento social contra o coronavírus.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é contra a adoção do distanciamento social para enfrentar a pandemia de covid-19, apesar de ele ser defendido por chefes de Estado pelo munto todo e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) — além de secretários de Saúde, governadores e prefeitos brasileiros.

No domingo, dias depois de o presidente mencionar a possível demissão de Mandetta na mesma data em que ele citou pessoas do governo que viraram "estrelas", mensagens contra o ministro se intensificaram nos grupos de WhatsApp.

Mandetta tem evitado o confronto. Após ser alvo de críticas públicas do presidente, ele indicou que não pensa em pedir demissão e afirmou que "médico não abandona o paciente". Ele se referia às suas responsabilidades como ministro no enfrentamento à pandemia do coronavírus.

Segundo pessoas próximas ao ministro, Mandetta estaria convencido da existência de uma campanha difamatória contra ele, mas seguiria determinado a não pedir demissão e a manter sua atuação no Ministério durante a pandemia.

Uma dessas mensagens de WhatsApp circulou no domingo com uma suposta "biografia" de Mandetta. O texto dizia que ele "não passa de um embusteiro, um enganador, um 'Zé ninguém". Afirmava que, depois de conseguir "fama", o ministro resolveu "trair" Bolsonaro. "Mas a batata dele está assando...", conclui a corrente de mensagem.

Mandetta é atacado: “Nem um (sic) traidor continua no governo” - Reprodução
Mandetta é atacado: “Nem um (sic) traidor continua no governo”
Imagem: Reprodução

Nesta segunda-feira (6), um grupo de apoiadores do partido que Bolsonaro tenta criar — o Aliança pelo Brasil — divulgou um texto chamado "o pecado mortal do dr. Mandetta". A mensagem, publicada originalmente por um empresário defensor do presidente, diz que, "de ministro desconhecido e depois presidenciável, passará para a história como um rato", um caso de "oportunismo".

Na sexta-feira (3), o UOL conversou com um empresário bolsonarista ligado a líderes do governo no Congresso e na Esplanada. Sob anonimato, ele disse ter convicação de que Mandetta "conspira" contra Bolsonaro em conjunto com o "centrão" no Legislativo — grupo de parlamentares da direita e da centro-direita não alinhado automaticamente ao governo, entre eles o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Os elogios do PT e do Centrão a Mandetta seriam exemplos disso, afirmou o empresário, que atua lado a lado com caminhoneiros e atiradores esportivos, duas categorias da base de apoio do presidente da República.

Ministro teve que rebater perfil falso em rede social

Hoje, o próprio ministro da Saúde foi às redes sociais desmascarar um perfil falso em seu nome que divulgava uma mensagem em que ele, falsamente, rebatia "insinuações" do presidente sobre sua demissão.

"É lamentável que, num momento tão sensível para o Brasil e o mundo, pessoas inescrupulosas tenham esse comportamento", disse o verdadeiro Mandetta hoje. "Da união de todos, emergirá a solução para os desafios que estamos atravessando."

No domingo, um grupo de WhatsApp bolsonarista compartilhou um texto de um ex-assessor da ministra dos Direitos Humanos Damares Alves dizendo que Mandetta havia renovado contratos no Ministério da Saúde que haviam sido iniciados na gestão de Dilma Rousseff (PT). O texto do ex-assessor do governo era "herança maldita".

Num outro grupo de bolsonaristas, o mesmo texto é acompanhado do comentário: "Entenda porque Mandetta é queridinho da mídia".

Denúncias de corrupção são republicadas

Hoje, um membro de um grupo de bolsonaristas publicou um texto defendendo a permanência de Mandetta no cargo. "Qual será a próxima vítima que a cachorrada bolsonática raivosa vai despedaçar em público?".

Mas ele foi desqualificado por outro integrante: "Aposto que este defensor do Mandetta é funcionário público com dindin garantido na f [no fim] do mês".

Um outro concordou: "No caso, o Bolsonaro, se ele passar a caneta, é por que mereceu". "Ninguém é insubstituível. Presidente tem olhos e ouvidos por todos os lados." Um terceiro concordou. Um quarto integrante escreveu um palavrão contra Mandetta.

Apesar de o governo ter ministros envolvidos em casos de corrupção, improbidade e desvio de dinheiro, agora, os apoiadores do presidente passaram a questionar o fato de Mandetta ser denunciado pelo Ministério Público.

"Aniquilaram o patrimônio da Santa Casa de Campo Grande, detonaram sua saúde financeira", menciona o membro de um grupo de mensagens.

Ele se referia a um texto publicado em 2018, mas republicado nesta segunda-feira (6) por um site bolsonarista, em meio à fritura que Mandetta passa. As denúncias de corrupção que pesam sobre outros ministros de Jair Bolsonaro ou seu filho Flávio Bolsonaro não são mencionadas

Coronavírus