PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaristas fazem carreata contra Doria, Globo e China nas ruas de SP

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

11/04/2020 15h56

Dezenas de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fizeram uma carretada na tarde deste sábado pelas ruas de São Paulo para mostrar apoio a ele na condução da crise da covid-19 e criticar a Rede Globo, a TV Bandeirantes, a China e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). O protesto foi convocado pelo WhatsApp em grupos de caminhoneiros e motociclistas e seu ponto de maior adesão foi no começo da noite, quando a avenida Paulista teve trânsito congestionado em um dos sentidos.

Muitos buzinavam e bandeiras do Brasil apareciam por toda a parte. Os discursos eram contra a quarentena e houve bastante reclamação contra o governador de São Paulo. A economia era a principal preocupação das pessoas e o motivo apontado para relaxar o distanciamento social.

A manifestação começou na frente do Ginásio do Ibirapuera, local que vai abrigar o terceiro hospital de campanha da cidade. Um homem na caçamba de uma caminhonete fez um discurso pedindo para as pessoas não assistirem à Globo e à Band e boicotar qualquer marca que anunciar nestes canais. Ele ainda acusou a China de financiar as redes de televisão em associação com Doria.

Próximo dali, caminhoneiros estacionaram seus veículos junto à Assembleia Legislativa e um coro de "fora Doria" foi puxado. O governador de São Paulo e a Rede Globo foram os principais alvos da carreata e chamados de "traidores da pátria". A manifestação também contou com dezenas de carros e motocicletas com bandeiras do Brasil. Os discursos tinham frases habituais de apoiadores do presidente como "minha bandeira nunca será vermelha".

Doria tem se destacado como um dos governadores que, seguindo recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e até do Ministério da Saúde de Bolsonaro, impuseram medidas como fechamento de comércios e escolas para tentar frear o avanço do novo coronavírus. O governador de São Paulo decretou e depois prorrogou uma quarentena.

Os manifestantes seguiram para a avenida Paulista e de lá partiram para a sede da TV Globo na capital paulista. Pelo menos 200 pessoas estavam no local e a maioria desceu do carro. Eles repetiram coros chamando a emissora de traidora da pátria, que eram intercalados com críticas ao governador João Doria.

Entre os manifestantes, estava o empresário Cleyson Lombardi, 47 anos, que afirma respeitar a quarentena, mas diz que as pessoas precisam trabalhar. "Dependo do comércio e meu movimento caiu 80%". Ele transporta motos para oficinas e lojas e trabalha sozinho. "O que salva é o dinheiro do capital de giro, mas estou no limite".

Policiais militares atravessaram suas viaturas a três quadras da rua da casa de Doria, que fica no bairro Jardins. Eles bloquearam o acesso à residência para evitar a passagem da carreata até a residência.

Mas os manifestantes tinham outro destino e seguiram em direção à sede da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo), localizada na avenida Paulista. Eles não queriam reclamar sobre a atuação dos empresários na crise da covid-19, mas buscavam a visibilidade do endereço mais conhecido de São Paulo.

Doria - Carolina Antonioli - Carolina Antonioli
Imagem: Carolina Antonioli

Assim como o presidente Bolsonaro, os manifestantes se opõem a medidas de isolamento social e argumentam que o impacto econômico será grave. Alguns carros tinham faixas pedindo a saída de João Doria, considerado traidor por se eleger colando sua imagem à do presidente nas eleições de 2018. Era o caso do piloto de helicóptero Paulo Euzébio, 51 anos.

"Votei Doria. Ele fez as melhores promessas e se associou ao Bolsonaro, se agarrou no Bolsonaro. Mas Doria traiu o presidente e São Paulo. Viu na doença uma oportunidade para tirar benefício eleitoral" avalia Paulo.

O piloto citou o exemplo da cloroquina. Reclamou que o presidente sempre defendeu o uso do medicamento no combate ao coronavírus e quando muitos passaram a aderir a causa o governador de São Paulo afirmou que partiu de sua equipe a ideia.

"O foco dele é ganhar a Presidência e está mostrando toda a falsidade. Mas vai cair do burro".

Paulo  - Carolina Antonioli - Carolina Antonioli
Paulo acredita que Doria aproveita a pandemia para atacar Bolsonaro porque quer ser presidente
Imagem: Carolina Antonioli

O chaveiro Reginaldo Teixeira Rossi, 58 anos, se dizia revoltado com a obrigação de ficar em casa. A decisão do governador de São Paulo em não acatar a visão do presidente também era considerada traição e motivo de impeachment.

Em relação à Rede Globo, afirmou que tirou a emissora da sintonia de sua TV há dois anos. Reginaldo considera a o canal um disseminador de mentiras com reportagens falsas que buscam desestabilizar o presidente.

O governo de São Paulo enviou nota na qual afirma que "respeita o direito à livre expressão de todos que desejam participar de manifestações no estado". No entanto, ressalta o comunicado, "é importante reforçar que o isolamento social é essencial para diminuir os casos e mortes de COVID-19, de acordo com a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) e do Ministério da Saúde."

A Polícia Militar acompanhou a carreata durante toda a tarde e, em nenhum momento, pediu para os motoristas se dispersarem, mesmo que a manifestação desrespeitasse a quarentena. O UOL enviou questionamento à corporação, mas não obteve resposta.

A Rede Globo também foi procurada e está avaliando se irá responder. Caso ocorra algum pronunciamento, ele será incluído nesta matéria.

O Brasil tem 20.727 casos oficiais da doença e 1.124 mortes.

Coronavírus